Procurar imagens
     
Procurar textos
 

 

 

 

 


 

 

MARIA DO SAMEIRO BARROSO
POEMAS DO SILÊNCIO

INDEX

De que fala o silêncio?
Poema com desenhos de António Ramos Rosa
Os violinos e os nomes
Os pomos de Dioniso
As hipérboles da luz
Ciclos eternos
Os anéis da claridade
O corpo e os seus lugares
Os nenúfares de música

De que fala o silêncio?

|

O tempo é anterior a ti, a mim, a nós,

e nada está escrito, excepto essa interioridade

que habita a inocência das palavras,

consumando o corpo, o seu início, o seu extremo,

deixando o espírito intacto para fruir

esses momentos puros, primordiais,

nessa abertura,

lâmpada rútila, navio eloquente, frémito intacto,

chama preciosa que, de outra forma,

tudo diz, tudo revela,

no tempo esquecido, no tempo sem tempo,

entre a magia e a volúpia,

no luar, no siêncio,

 

no tempo das clepsidras esquecidas.

In Palavra em Mutação, Revista nº 6, Outono & Inverno, 2004/2005

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano