HELENA FIGUEIREDO

Ecos de mim

Afirmação

Sai de mim a tinta e a palavra,
Sem o bloqueio da forma redonda.
Não construi barragens nem diques,
Nem aproveitei a energia do azul.
É aqui, na luz branca de um santo
Que vomito o que não digeri,
O bruto do meu ser sem cinzel,
Para o rodopiar no asfalto.
Sou eu, na caneta e na mão,
Bailando com o ar da noite.
Sou eu que abro o meu corpo
Às ninfas minadas de febre
E que quero a Verdade,
A Beleza do estar aqui,
Sem temores do Inferno.
Sou eu, que me desfaço
Nos líquidos mortos do tabu.
Quero água de Javel nos dedos,
As órbitas longas,
Um coração redondo de ser assim.

Helena Figueiredo

Helena Figueiredo nasceu em 9 de Março de 1959, numa pequena aldeia do concelho de Carregal do Sal, distrito de Viseu. É licenciada em Educação de Infância, e desde os 21 anos que trabalha com crianças entre os 3 e os 6 anos. Entre 2003 e 2006 prestou assessoria ao Conselho Executivo do Agrupamento de Escolas de Carregal do Sal.
Entrada no TriploV: Abril de 2008
 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano