HELENA FIGUEIREDO

Ecos de mim

Madrugada

Espaços do céu onde estrelas morreram,
As ervas cheiram a terra, mas não há flores.
Três luzes balbuciam o barulho dos carros.
Acorda o negro no estampido do fogo.
Silhuetas calmas nos grilos molhados,
Tufos de vida num quadrado de areia.
E as almas atónitas no vácuo das cantigas.
Persianas num sono revolto,
Branqueiam na liberdade dos morcegos,
E os dedos gritam o latido de um cão.
Caem flores mortas de um fruto d`óleo.
Parece a rua uma procissão de fantasmas,
Com santos manchados nas golpadas.
E as preces são novas súplicas
Na altura das mãos.
Mas os pássaros, cortam a noite
 Sem temores dos horários de amanhã,
Porque o sol brilhará sempre
No azul das pálpebras.

Helena Figueiredo 

Helena Figueiredo nasceu em 9 de Março de 1959, numa pequena aldeia do concelho de Carregal do Sal, distrito de Viseu. É licenciada em Educação de Infância, e desde os 21 anos que trabalha com crianças entre os 3 e os 6 anos. Entre 2003 e 2006 prestou assessoria ao Conselho Executivo do Agrupamento de Escolas de Carregal do Sal.
Entrada no TriploV: Abril de 2008
 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano