As duas culturas: o cruzamento dos saberes (in)sustentáveis
                                                      José Augusto Mourão (UNL-DCC)

Index
Mestre António
Do Unicórnio
Influências
Ciência e ficção
O que é um objecto?
Coda

Coda

A lógica de Aristóteles (384 B.C.) foi a lógica que dominou o mundo até ao século XVII. As suas ideias acerca da ciência natural perduram ao longo da Idade Média e até à Renascença. O Deus de Aristóteles não modelou o Universo utilizando formas geométricas básicas como Platão supunha, ou números como Pitágoras imaginara. O mundo era governado por quatro espécies de causas: formal, material, eficiente e final. A Ars Magna de Ramon Lull (1232) propõe um método mecânico de exaustividade que permite todas as possibilidades de relações de um tópico. É uma motivação que nasce do desejo de afirmar as verdades da Cristandade e aquelas que não podem ser lógicamente negadas pelos não-Cristãos. Paracelso (1493) é um precursor da ciência moderna. Introduziu a análise química da urina e a teoria da digestão. Usou lódão e éter e o uso do mercúrio no tratamento da sífilis. O seu sistema corresponde àquilo a que se poderia chamar uma cosmología orgânica. Aqui o homem é o microcosmo do macrocosmo. A ideia das "Assinaturas" goza então uma larga aceitação, bem como a ideia cíclica da natureza. Estamos no ponto de combinação da ciência nascente e da antiga alquimia.

O speculum mundi medieval tinha em atenção aspectos dos signos linguísticos, tais como as conotações alegóricas, as tradições culturais, as crenças contraditórias e os graus de conhecimento que tratado ciêntífico de hoje consentiria. Esse era o seu modelo, pragmático. Havia, evidentemente um grande chapéu que ligava cada uma das pontas deste tecido: a teologia. O divórcio entre religião e ciência é um facto recente (Vattimo e Rorty). Durante séculos, com os equívocos que provocou, a subordinação da ciência à religião manteve-se. Lendo o Discours de métaphysique de Leibniz (1686) deparamo-nos com a seguinte questão: como distinguir entre factos que podem ser descritos por uma lei e aqueles que existem sem lei, como factos irregulares? O homem simples e o cientista apreendem o mundo directamente através dos dados dos sentidos. Mas os constituintes deste mundo são também objectos científicos. Enquanto os objectos físicos são modelados com base em "sense data" e derivam as propriedades destes "sense data", a semelhança com os "sense data" dos objectos científicos é menos marcada. À medida que a ciência avança, diminui a semelhança, até ao momento em que aparece a onda das máquinas modernas e em que essa semelhança se desvanece de todo. A substituição de objectos científicos por objectos físicos é um processo gradual. Os objectos de que fala Mestre António pertencem mais à geografia fantástica das enciclopédias medievais do que à ciência nova. A sua visão do mundo não acreditava ainda na difereça entre factos e fetiches.

Tudo se narrativiza: a ciência, a religião e a arte porque tudo pretende cegar à totalidade da compreensão. Passamos de um extremo a outro. Latour tem procurado mostrar como "the lack of scientific certainty" inerente à construção dos factos. Ainda vemos os manuais como um catecismo. A corografia de Mestre Cirurgião há-de parecer-nos funambulesca. Como se só a ciência dissesse a verdade e a sua verdade se impusesse. Esta ideia das investigações científicas é ainda uma ideia dominante. Ler o episódio da arca de Noé de forma racionalizante anula-o, muito simplesmente. O dogma da infalibilidade não é apenas reivindicação das igrejas. Como se a ciência tivesse caído do céu. E não houvesse nada nem antes nem depois. “E preciso retomar a definição do monstro, da barbárie, dos ídolos, do martelo e da ruptura”, escreve Latour (1). O medo dessas ontologias de geometria variável obrigam a redefinir o mundo das representações de das coisas. “Não serão todos os dragões da nossa vida as belas jovens que pedem para ser socorridas?” (Rilke)
 
(1) Bruno Latour, op. cit.,  p. 63.

Apenas

"Naturarte" e "Lápis de Carvão"
Comunicações aos colóquios em livros de cordel, publicados pela
Apenas Livros Lda.

Outros espaços da ciência no sítio:

Jardins

Naturalismo

Naturarte

Outros espaços da espiritualidade no sítio:

ISTA - site do Instituto S. Tomás de Aquino

Espirituais

Alquimia em Portugal - António Amorim da Costa

La Langue des Oiseaux - Richard Khaitzine

Associação de Socorros Mútuos Artística Vimaranense (ASMAV) - Guimarães
TriploV - Mapa - Cibercultura - Teatro - Zoo - José Augusto Mourão - ISTA - CICTSUL

DIREITOS RESERVADOS
Sendo o TriploV uma publicação com fins exclusivamente culturais, cremos não usar indevidamente textos e imagens. Mas se tal acontecer, pedimos que o facto nos seja comunicado, para os retirarmos.

triplov@triplov.com
PORTUGAL

 
 
   

Última Actualização:
18-Sep-2006


hospedagem
Cyberdesigner:
M a g n o U r b a n o