RUY VENTURA
HABITAÇÃO DO TEMPO
nascimento
 

sopra-nos do barro. ilumina
o cabelo, a voz da montanha.

(sobre a mesa, a cinza deste corpo.)

a cidade cresce. sem casas.
a respiração queima – lentamente –
os olhos, as unhas, a mão.
o sangue.

a chama permanece. tão pequena.
o calor repousa sobre o musgo.
uma lágrima irrompe pela manhã.
a gilbardeira coloca, sobre o peito,
um pouco de alegria.

nos olhos e no cabelo
(nesta mão)
as imagens reverdecem.
o fogo tece-nos, mesmo à distância.

o vento apaga (acende?)
essa chama nascida no interior
da montanha.

a criança sopra –
o barro que somos. a palavra
aquece-nos. a flama
aquece o coração. e o mundo.

(sobre a mesa, a cinza desse corpo.)

o corpo navega. flutua.
desenha na terra essa criança

nascida sobre as águas.

 

Carreiras –
presépio em barro, arte popular (séc. XX)

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano