RUY VENTURA:::

Generosidade

          Foi com sobressalto e desgosto que há poucas semanas me confrontei com o fecho de um dos meus santuários lisboetas, a “Barateira”. Levada pela malvada “crise” e por jogos que nem vale a pena qualificar, tão sujos são, este alfarrabista da nossa capital era, em simultâneo, um templo da leitura e uma câmara do tesouro – para quem tivesse a paciência e a persistência de demandar nas suas estantes as mais valiosas preciosidades que o homem foi escrevendo e editando. Era um lugar generoso. Pequenas quantias monetárias geravam, se o Espírito assim cria, momentos inesquecíveis de prazer e de elevação. 

         Sempre que posso, perco-me pelos alfarrabistas e por feiras de velharias, ao encontro de livros importantes, raros ou esquecidos pelo tempo. Tenho para mim que alguns livros antigos ou em segunda mão procuram os seus próprios donos. Não somos nós que vamos na sua demanda, são eles que esperam por nós – aguardando a nossa visita e a nossa atenção apaixonada.

         Tenho tido momentos felizes na minha paixão bibliófila. Entre os dias que recordarei até ao fim da minha existência, estão vários que foram felizes porque nas suas horas tive a honra de encontrar e poder levar para casa obras que (tenho a certeza) há muito me esperavam. Seria difícil listar todos os livros que consolaram os meus dias, todos esses momentos de encontro. A título de exemplo posso citar, contudo, o primeiro livro do poeta portalegrense Carlos Garcia de Castro, editado em 1955, que pertenceu ao enorme pintor surrealista Manuel D’ Assumpção, a primeira edição de Claridades do Sul, de Gomes Leal, ou a antologia do Prémio Almeida Garrett, publicada em 1957.

         Esta última colectânea é um livro exemplar por razões que passo a expor. Atribuído pelo Ateneu Comercial do Porto em 1954, só três anos mais tarde a antologia do Prémio Almeida Garrett viu a luz do dia. O júri foi constituído por nomes que dispensam apresentações: Afonso Duarte, João Gaspar Simões, Paulo Quintela e Vitorino Nemésio. Foram 103 as obras concorrentes. O galardão coube a uma obra de Miguel Torga.

Neste nome reside a mais importante dimensão desta colectânea. Por estranho que pareça, não integra um único poema do autor de Poemas Ibéricos, uma vez que a obra teve edição autónoma. Não foi paga, como seria de esperar, pelo Ateneu Comercial do Porto, que promovera o prémio. Foi paga pelo primeiro premiado que, tendo conhecimento da alta qualidade de algumas das obras que haviam sido preteridas em favor do seu livro, decidiu abdicar do valor monetário que lhe era devido para proporcionar aos seus colegas de letras (jovens ainda e inéditos em livro) as alegrias da publicação. (É caso para perguntar: quantos poetas “medalhados” do nosso tempo teriam hoje coragem para manifestarem uma tamanha generosidade?)

         A história terminaria aqui se os autores antologiados no livro que veio acolher-se à minha biblioteca fossem hoje ilustres desconhecidos. Acontece que, entre a vintena de poetas aí incluídos, constam alguns poetas hoje indispensáveis no edifício da Poesia Portuguesa Contemporânea. Entre eles, destacam-se Fernando Echevarría, Cristovam Pavia, António Gedeão e, além deles, Fernando Vieira, José Carlos Ary dos Santos (que autografa o livro) e alguns outros, com obra estimável.

         Estes autores não tinham, em 1954, qualquer livro publicado. Tivesse Miguel Torga guardado o dinheiro no bolso, banqueteando-se com ele, e qual teria sido o destino da obra destes escritores, cuja poesia hoje reconhecemos?

 

RUY VENTURA (Portalegre, 1973) .
Mais dados em: www.ruyventura.blogspot.com

 
 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano