:::::::::::::::::::RUY VENTURA:::::
Registo
[Britiande]

apegou-se à fotografia uma vaga viagem de regresso.
apenas nome escavado na rocha, sobressaiu nos olhos
a altura da torre, sem fortaleza, mas capaz de vigiar

o vinho quente e o trote da memória, exumando
pilares e arcadas engolidos ao longo da lavoura.

nem homens nem sombras cortaram a manhã. não era vulgar
a janela, nem sequer o eixo da terra, impedindo a erupção
da lava sobre o rio.

entre os ossos e a estrutura mineral das horas
sedimentadas sobre os músculos, ficaram vozes
gravadas sobre tábuas e tábuas de castanho

como o sarro que penetra o vidro e a porcelana
depois de tantos anos de sede, de suor e de alegria.

 

(para Maria Estela Guedes)

RUY VENTURA (Portalegre, 1973) é professor na península da Arrábida. Publicou, em poesia, Arquitectura do Silêncio (Lisboa, 2000; Prémio Revelação de Poesia, da Associação Portuguesa de Escritores), sete capítulos do mundo (Lisboa, 2003), Assim se deixa uma casa (Coimbra, 2003) e Um pouco mais sobre a cidade (Villanueva de la Serena, 2004) e O lugar, a imagem (Badajoz, 2006 – no prelo). Organizou as antologias Poetas e Escritores da Serra de São Mamede (Vila Nova de Famalicão, 2002), Contos e Lendas da Serra de São Mamede (Almada, 2005) e Em memória de J. O. Travanca-Rêgo e Orlando Neves (na revista Callipole, nº 13, Vila Viçosa, 2005) e o livro José do Carmo Francisco, uma aproximação (Almada, 2005). Traduziu a antologia 20 Poetas Espanhóis do Século XX (Coimbra, 2003) e os livros de poemas Dias, Fumo, de Antonio Sáez Delgado (Coimbra, 2003), Jola, de Ángel Campos Pámpano (Badajoz, 2003) e A Árvore-das-Borboletas, de Anton van Wilderode (Badajoz, 2003). É colaborador de várias revistas nacionais e estrangeiras, nomeadamente espanholas, brasileiras e americanas. Como ensaísta, tem escrito sobre Poesia Contemporânea, Literatura Tradicional e/ou Oral e Toponímia.

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano