OS LIVROS DA WALKYRIA
Júlio Verne
VIAGEM
AO CENTRO DA TERRA
CAPÍTULO XXVIII

Quando voltei a mim, meu rosto estava molhado, mas molhado de lágrimas. Não sei dizer por quanto tempo fiquei desmaiado. Não tinha mais qualquer meio de ter noção do tempo.

Nunca houve solidão tão grande quanto a minha, nunca um abandono tão completo!

Perdera muito sangue com a minha queda. Sentia-me encharcado! Ah, como lamentava não estar morto e ainda ter tempo pela frente! Não queria mais pensar. Afugentava qualquer idéia e, vencido pela dor, rolei para a parede oposta.

Já sentia-me desmaiar novamente, ou talvez até morrer, quando um barulho violento chamou-me a atenção. Parecia o estrondo prolongado de um trovão, e ouvi as ondas sonoras perdendo-se pouco a pouco nas longínquas profundezas do abismo.

De onde vinha o barulho? Sem dúvida de algum fenômeno no centro do maciço terrestre! A explosão de um gás ou de alguma poderosa base do globo.

Continuei prestando atenção. Queria saber se o ruído se repetiria. Passaram-se quinze minutos. O silêncio reinava na galeria.

Nem ouvia mais as batidas de meu coração.

De repente, meu ouvido, colado à muralha por acaso, acreditou ter surpreendido palavras vagas. Inatingíveis, distantes. Estremeci.

"É uma alucinação", pensei.

Mas não. Prestando mais atenção, ouvi realmente um murmúrio de vozes. Minha fraqueza, porém, não permitiu que eu entendesse o que diziam. Contudo, havia gente falando, tinha certeza disso.

Por um momento, temi que aquelas palavras não passassem das minhas, transmitidas por um eco. Talvez eu tivesse gritado inconscientemente. Comprimi os lábios e colei novamente o ouvido à parede.

"Há realmente gente falando!"

Arrastando-me alguns pés ao longo da muralha, ouvi claramente. Consegui até captar algumas palavras incertas, estranhas, incompreensíveis. Chegavam a mim como se estivessem sendo pronunciadas em voz baixa, de certa forma, murmuradas. O termo forlorcid foi repetido várias vezes num tom de dor.

O que significava? Quem o pronunciava? É claro que meu tio ou Hans. Ora, se eu os ouvia, eles conseguiriam ouvir-me!

- Socorro! - gritei com toda a força. - Socorro!

Prestei toda a atenção, espreitei uma resposta, um grito, um suspiro na escuridão. Nada. Passaram-se alguns minutos. Minha cabeça fervilhava de idéias. Achei que a minha voz esmaecida não conseguia alcançar meus companheiros.

"Só podem ser eles! ", repetia. "Não deve haver outros homens trinta léguas abaixo da superfície da terra".

Voltei a prestar atenção. Escorregando meu ouvido pela parede, encontrei um ponto matemático onde as vozes pareciam atingir o máximo de intensidade. Mais uma vez, ouvi o termo forlorcid; depois aquele ribombar que me arrancara do torpor.

- Não - disse. - Não estou ouvindo essas vozes pelo maciço.

A parede é de granito e nem a maior detonação conseguiria atravessá-la. O barulho vem pela própria galeria! Deve haver algum efeito acústico bastante singular!

Tentei escutar novamente e dessa vez, sim, ouvi claramente meu nome percorrer o espaço.

Era meu tio quem o pronunciava! Conversava com o guia, e a palavra forlorcid era uma palavra dinamarquesa!

Então, entendi tudo. Para que me escutassem, eu deveria falar ao longo daquela muralha, que serviria para conduzir minha voz como o fio conduz a eletricidade.

Não podia perder tempo. Bastava que meus companheiros se afastassem um pouco para que o fenômeno de acústica fosse destruído. Então aproximei-me da muralha e pronunciei da forma mais clara possível o seguinte:

- Meu tio Lidenbrock!

Esperei na maior ansiedade. O som não era extremamente rápido ali. A densidade das camadas de ar não aumentava sua velocidade, só aumentava sua intensidade. Alguns segundos, séculos, passaram-se antes que estas palavras chegassem a mim:

- Axel! Axel! É você?

- Sim, sim! - respondi.

- Meu filho, onde está você?

- Perdido na maior escuridão.

- Mas, e a sua lanterna?

- Apagou.

- E o riacho?

- Desapareceu.

- Coragem, meu pobre Axel, coragem!

- Espere um pouco, estou exausto! Não tenho mais forças

para responder! Mas fale comigo!

- Coragem! - tornou meu tio. - Não fale, escute-me.

Procuramos por você subindo e descendo a galeria. Impossível encontrá-lo. Ah! Chorei muito por você, meu filho! Finalmente, achando que estava no curso do Hans Bach tornamos a descer dando tiros. Agora, apesar de nossas vozes poderem encontrar-se, não podemos tocar-nos. Mas não se desespere, Axel! Já é alguma coisa podermos ouvir-nos!

Enquanto isso, eu refletira. Voltava a sentir uma certa esperança, ainda vaga. Em primeiro lugar, fazia questão de saber uma coisa. Aproximei meus lábios da muralha e disse:

- Tio?

- Sim, filho - responderam-me pouco depois.

- Antes de mais nada, temos de saber a distância que nos separa.

- Isso é fácil.

- O senhor está com o cronômetro?

- Sim.

- Muito bem. Pronuncie meu nome e marque com precisão o momento em que o disse. Vou repeti-lo assim que me alcançar, e o senhor também deverá observar o momento em que minha resposta chegar.

- Bem, e a metade do tempo entre minha pergunta e sua resposta indicará o tempo que a minha voz leva para chegar a você.

- Exatamente, meu tio. - Está pronto?

- Sim.

- Muito bem, preste atenção, vou pronunciar seu nome.

Colei meu ouvido à parede e, assim que a palavra "Axel" chegou a mim, respondi imediatamente "Axel" e aguardei.

- Quarenta segundos - disse então meu tio. - Quarenta segundos entre as duas palavras; portanto, o som leva vinte segundos para subir. Ora, a mil e vinte pés por segundo, dá vinte mil e quatrocentos pés, ou uma légua e meia e um oitavo.

- Uma légua e meia! - murmurei.

- Ora, é fácil transpô-la!

- Mas devo subir ou descer?

- Descer, e pelo seguinte motivo. Chegamos a um espaço amplo, onde desembocam muitas galerias. Aquela em que você entrou não pode deixar de dar aqui, pois parece que todas essas fendas, essas fraturas do globo dispersam-se da imensa caverna em que estamos. Levante-se e comece a andar! Caminhe, arraste-se, se preciso, escorregue pelas vertentes e com certeza encontrará nossos braços abertos para recebê-lo ao final do caminho.

Em frente, meu filho, em frente!

Essas palavras animaram-me.

- Adeus, meu tio - exclamei. - Estou indo. Assim que eu deixar este lugar, nossas vozes não poderão entrar mais em contato! Adeus, então!

- Até logo, Axel, até logo!

Foram as últimas palavras que ouvi. A surpreendente conversa através da massa terrestre, a mais de uma légua de distância, terminou com essas palavras de esperança. Rezei para agradecer a Deus por ter me conduzido talvez ao único ponto onde a voz de meus companheiros podia me alcançar naquelas imensidões escuras.

O fabuloso efeito acústico era facilmente explicável pelas leis da física. Provinha da forma do corredor e da condutibilidade da rocha. Há muitos exemplos dessa propagação de sons não perceptíveis nos espaços intermediários. Lembro-me de que o fenômeno foi observado em vários lugares, entre outros, na galeria interna da cúpula de Saint Paul's em Londres, e principalmente naquelas curiosas cavernas da Sicília, aquelas latomias localizadas perto de Siracusa, a mais maravilhosa do gênero, conhecida pelo nome de Orelha de Dionísio.

Lembrei-me de tudo isso e percebi com clareza que, se a voz do meu tio chegava até mim, é porque não havia qualquer obstáculo entre nós. Seguindo o caminho do som, chegaria necessariamente como ele, se as forças não me abandonassem.

Levantei-me. Mais me arrastava do que caminhava. A inclinação era bastante íngreme. Deixei-me escorregar.

Logo a velocidade de minha descida aumentou numa proporção assustadora e ameaçou transformar-se numa queda. Não tinha mais forças para refreá-la.

De repente, o solo fugiu sob meus pés.

Senti que rolava e batia nas asperezas da galeria vertical, um verdadeiro poço. Minha cabeça deu com uma pedra pontiaguda, e perdi os sentidos.

   

 

 

 


hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano