Armando Nascimento Rosa
NÓRIA E PROMETEU - PALAVRAS DO FOGO

(Mitodrama paródico em sete cenas)

INDEX

NOTA PREAMBULAR

PERSONAGENS E INTÉRPRETES

MÁSCARAS DE CENA

CENA I

CENA II

CENA III

CENA IV

CENA V

CENA VI

CENA VII

Cena 7

(Com visuais de ficção científica, Zeus/Godot surge como geneticista extraterrestre com o Assistente/Rapsodo, e as aladas Arcângela/Águia e sua filha Angélica/Cassandra, da raça dos aéreos. Falam para o público e entabulam, pontualmente, diálogos entre si. Em cena, há uma árvore de um material ao gosto do cenógrafo, decorada com maçãs a sério. )

Dr. Godot/Zeus : Quando a expedição chegou à Terra, eu não esperava grande coisa destes símios. Eram muito primitivos. Mas o computador central não queria partir sem fazer a tentativa. Sair daqui de mãos a abanar seria uma derrota pra ele. E o cientista de serviço, ou seja eu, tinha de cumprir o contrato que assinou. O objectivo da missão: encontrar vida na galáxia. E se a encontrássemos, vermos se era possível injectar-lhe inteligência. Elevar a consciência do cosmos, eis o lema da empresa. Mentiras cosméticas. O que a multiespacial queria era mão-de-obra escrava angariada em qualquer canto do universo. Só aceitei a aventura porque fiquei arruinado. Uma clínica de terapia genética que em má hora comprei sem estar licenciada. Abri falência e embarquei na primeira nave que apareceu. Avistar do espaço este planeta é uma experiência inesquecível. Aterrámos sem problemas. A atmosfera é respirável, a temperatura amena. E descobrimos estes seres, quezilentos e peludos. O computador emocionou-se com os primeiros testes de adn. Os primatas da Terra são nossos parentes. Mas estavam atrasados na linha evolutiva. Pior pra eles. O sucesso da missão dependia de mim.

Assistente/Rapsodo : Seleccionámos uns doze espécimes. Cinco machos e sete fêmeas, e isolámos o grupo num espaço murado, pra não fugirem. Apesar de agressivos, mostravam-se assustados. Pareciam-se connosco, mas o cérebro era muito rudimentar. A equipa estava entusiasmada. Não sabíamos a que poderiam levar as experiências do Doutor Godot. A assistente Arcângela tem uma queda prá poesia, e chamou ao nosso laboratório o Jardim do Éden.

Arcângela/Águia : Eu sou doutra espécie, a estirpe dos aéreos, mas a minha raça foi dominada pelos avós de Godot. As asas permitem-nos voar, mas temos uma vocação inata prá obediência. Acabamos sempre a servir de criados. É coisa que já deve estar escrita nos genes.

Angélica/Cassandra : A mãe fale por si e plos da sua idade. Eu sou diferente. Estou farta de viver na tirania dos Godots.

Arcângela : Cala-te, Angélica! Queres perder o emprego? Tens um contrato de três meses e bem podes agradecer-mo. Eles são implacáveis. Se te ouvem, são capazes de te cortar as asas e deixam-te aqui sozinha à mercê destes macacos.

Angélica : Os Godots não nos percebem quando falamos por telepatia. Tenho tanta pena destes pitecos. Vão torná-los mais espertos só pra que eles possam cumprir mais tarefas. Escravos qualificados. A ciência dos Godots é uma farsa financeira.

Arcângela : Ideias perigosas que fizeram a desgraça de muitos de nós.

Angélica : Então nem todos os aéreos são ovelhas como dizes. Resta-me essa esperança.

Dr. Godot : (Continua como se as não ouvisse .) Houve um casal que eu destaquei daquele grupo. ( Adão/Prometeu e Eva/Nória tornam-se visíveis para o público. Vestem fantasias com pelame hirsuto de símios .) Chamei-lhes Adão e Eva. Um branco e uma negra, belos exemplares da espécie terrena. Serão cobaias perfeitas. Mas para além do cérebro a ampliar, há uma questão estética fundamental. Estes primatas têm o pêlo muito denso. Têm pêlo demais. Há que fazê-lo cair pra que o veludo da sua pele se veja.

Assistente : Mas isso é importante, doutor? Então não é de escravos que andamos à procura?

Dr. Godot : Há que ter vistas largas, amigo. Belos como são, estes terráqueos farão as delícias carnais da nossa raça. Regresso ao meu planeta e abro um bordel com eles. O Bordel do Doutor Godot em letras luminosas. Longas filas de espera pra entrar nesse antro de delícias. Tu vais ser o porteiro, ahn? Mas é preciso que percam a pelagem macacóide por terapia genética. Ou não haverá depilação que aguente...

Assistente : Eles irão estranhar a mudança, doutor. Já se habituaram ao corpo de orango.

Dr. Godot : Não faz mal. Controlamos-lhe a mente com os nossos aparelhos de alta frequência. Eles nem dão por nada. Ficam que nem carneirinhos.

Arcângela : Doutor Godot, tenha em atenção uma coisa importante.

Dr. Godot : O que é Arcângela?

Arcângela : Aquela árvore que enxertámos com maçãs transgénicas, pra poder sobreviver às lagartas terrestres, tem uma estranha particularidade. As maçãs segregam um ácido especial que interfere com os nossos aparelhos.

Dr. Godot : Como assim?

Arcângela : Se os indígenas comerem os frutos, o ácido concentra-se no sangue e impede que as nossas antenas controlem os seus cérebros. Ficam entregues a si mesmos.

Dr. Godot : Tens a certeza?

Arcângela : Acabo de fazer a experiência com um deles. Se comerem daquelas maçãs, não há quem os domine.

Dr. Godot : Bom trabalho Arcângela! Vou lembrar-me disso no relatório prá tua mudança de escalão.

Arcângela : Obrigada, doutor.

Angélica : A mãe é uma lambe-botas submissa. Tenho vergonha de si.

Arcângela : E eu estou arrependida de te ter arranjado lugar nesta missão. Melhor fora teres ficado em casa a comer do subsídio. Lontra!

Assistente : Então, colegas, tenham calma! Mãe e filha no mesmo serviço não dá bom resultado. Temos logo conflito doméstico.

Dr. Godot : Agora, chegou o momento da verdade. Desenvolvi um cocktail genético prás nossas cobaias. ( Exibe com orgulho duas enormes seringa .) São três os objectivos deste combinado explosivo. Sabem quais são?

Arcângela : Um objectivo é estimular o desenvolvimento do encéfalo.

Assistente : E o outro é fazer com que lhes caia o pêlo.

Angélica : Os pobres pitecos vão ficar cheios de frio.

Assistente : E o terceiro objectivo, qual é?

Dr. Godot : Ah ah! Esse não sabem vocês! Vou transformar estes primatas numa espécie sexualmente activa durante todo o ano. Basta uma pequena alteração no comando das hormonas, e estarão em cio permanente. Vai ser pinocada a toda a hora!

Assistente : O doutor tem mesmo queda pra dono de bordel.

Angélica : Eu nunca vi versão do Génesis mais chunga do que esta!

Dr. Godot : Vá Angélica, deixa-te de apartes! ( Dá-lhe uma seringa para as mãos .) Dou-te o privilégio de injectares a Eva!

Angélica : Eu, doutor? Mas sou tão inexperiente.

Dr. Godot : Não te faças de santa! Tu tens asas de anjo, mas aqui não há inocentes. Todos hão-de sujar as mãos.

Angélica : E se eu me recusar?

Arcângela : Minha filha, tu vieste para cumprir ordens.

Dr. Godot : Ouve a voz prudente da tua mãe, se quiseres renovar o contrato. Toma tu Arcângela. Esta é a dose pró Adão. Os aéreos têm boa mão de enfermeiros. Rápido. Façam luz nesses macacos! (Arcângela injecta Adão, enquanto o Assistente imobiliza os braços dele e Godot distrai Eva com uma banana. Adão perde os sentidos. Depois, Angélica, com relutância, injecta Eva, que fica igualmente inanimada. Após momentos, Adão e Eva abrem os olhos de curiosidade e começam a erguer-se, como que estremunhados .) Agora vamos testar a sua obediência com a árvore das maçãs. Adão e Eva! Meus queridos filhos! De mim vocês hão-de ter tudo, desde que façam aquilo que eu mando. Este é o vosso paraíso. Podem fazer nele o que quiserem. Mas tenham cuidado com as vedações porque estão electrificadas. E acima de tudo, jamais toquem nos frutos pendentes desta árvore. É a árvore do bem e do mal. Se trincarem as maçãs, irão cair em desgraça. Perdem o seguro de vida que vos dei e a assistência na doença e voltam à condição de animais que era a vossa antes de eu, Godot, ter chegado pra vos salvar! ( Para o assistente .) Fui bem, não fui?

Assistente : Óptimo, doutor. Espero que eles o tenham percebido.

Dr. Godot : Agora deixo-vos sozinhos pra que explorem à vontade o jardim do Éden. Vamos, Arcângela, há trabalho a fazer no laboratório. ( Godot sai na companhia do Assistente e de Arcângela. Adão e Eva despem os seus fatos de fantasia, feitos de várias tiras coladas com fita velcro, e perseguem-se um ao outro em brincadeira. Angélica observa-os .)

Eva : As maçãs são tão apetitosas, Adão!

Adão : Mas o Godot disse que são proibidas. Não fazem parte da nossa dieta. E ele sabe o que é melhor pra nós.

Eva : Tens razão, querido. ( Repara em Angélica .) Quem és tu, ó avejão?

Angélica : Sou Angélica, uma vossa amiga. E venho dizer-vos que Godot é um mentiroso. Ele tem medo que vocês comam dessas maçãs. Se as comerem ficarão poderosos, e ele deixará de controlar as vossas mentes.

Adão : Mas ninguém nos está a controlar, a não ser tu, que nos incitas à rebelião.

Eva : Por que razão nos queres ajudar?

Angélica : Quero reparar o que fiz. Fui eu que te dei uma injecção pra perderes o pêlo. Ao Adão foi a minha mãe.

Adão : Mas eu não perdi pêlo nenhum. Estou cabeludo como sempre fui.

Eva : Que injecção é essa? Não me lembro de nada.

Angélica : Porque Godot controla os vossos pensamentos. Experimentem a comer uma maçã e verão como falo verdade. Essa é a árvore do conhecimento. Aqui no jardim existe também a árvore da vida. É um ficheiro onde Godot guarda os registos genéticos da vossa espécie.

Eva : A tua linguagem é muito complicada. O melhor é comermos uma maçã.

Adão : Tenho medo de desobedecer a Godot. Foi ele que nos criou.

Angélica : Ele só vos quer pra seus escravos.

Adão : Eu não entendo o que dizes.

Eva : (Colhe uma maçã .) A fruta é o que há de mais saudável. Sempre quero ver a pedrada que isto dá. ( Dá uma dentada e oferece a Adão, que lhe segue o exemplo .) Vês como é saborosa!?

Angélica : Mas não é de cultura biológica.

Adão : (Mastigando .) Tanta mariquice por causa de uma fruta. O Godot não deve ter mais nada que fazer no paraíso.

Angélica : ( Cúmplice, para o público .) Já começou a fazer efeito!

Eva : ( Olhando para ambos, consternada. ) Ó Adão! A Angélica falou verdade. Nós perdemos a nossa pelagem. Parecemos umas ovelhas saídas da tosquia. Estou cheia de frio!

Adão : Mas pelada ficas muito mais sexy. Tenho mais fome de ti do que de maçãs ácidas. ( Abraça-a com avidez .)

Eva : E eu já estou toda molhada! Ó Angélica, a injecção que nos deste era pra isto?

Angélica : É verdade. O vosso Godot adora filmes pra adultos. O paraíso está repleto de câmaras pra vos filmar de todos os ângulos.

Adão : Sacana do velho. Gosta de nos ver na marmelada.

Eva : Por isso é que inventou esta treta do paraíso. Isto é uma pouca vergonha. Pois agora não há-de ver nada. ( Repele o abraço de Adão .) Vou fundar a arte da costura. Já que Godot nos deu mais gigabytes, há que fazer uso deles. ( Começa a apanhar do chão as tiras soltas dos fatos de pêlo .) Ajuda-me Adão, que à noite arrefece, e não podemos andar assim de corpo ao léu. ( Saem de cena, com os pedaços da pelagem debaixo do braço. ) Adeus Angélica! Obrigada por nos abrires os olhos! Godot não vai gostar do que fizeste.

Angélica : Estou bem com a minha consciência. E isso é que conta pra mim. ( Entram Godot, o Assistente e Arcângela .)

Dr. Godot : Disparou o alarme. Onde estão Adão e Eva? Perdi-lhes o rasto no monitor.

Angélica : Andam por aí. Queixaram-se de frio.

Dr. Godot : O que é que se passou? Algum deles comeu maçã?

Angélica : Fui eu que sou vegetariana e não consigo resistir à fruta madura.

Dr. Godot : ( Para o Assistente .) Vai procurá-los. Quero tirar isto a limpo.

Angélica : Não vou fingir. Fui eu que os incitei. Não suporto que trates assim os humanos.

Arcângela : Filha! O que foste tu fazer?

Angélica : Não sei cumprir ordens como tu. As minhas ordens são ditadas plo coração. Não posso obedecer a déspotas!

Dr. Godot : Eu diria que a tua filha andou a ler a Antígona. E confundiu-me com Creonte. Mas essa tragédia ainda não foi escrita na data em que estamos. ( Para Angélica .) Enganaste-te na época histórica, meu Prometeu de saias.

Angélica : Não é momento pra lições de literatura. O mundo começou com os teus crimes. Podes vingar-te de mim. Sou eu a culpada. ( O Assistente traz Adão e Eva consigo, algemados e vestidos com tiras da sua pelagem. )

Assistente : Adão e Eva estão diferentes, doutor. Não querem prestar depoimento e recusam-se a responder sem a presença do seu advogado.

Dr. Godot : Os meus primatas evoluiram demasiado depressa. Por este andar, não tarda vão ficar mais famosos do que eu. Tenho de evitar que isso aconteça. Não ando a trabalhar uma vida inteira por um lugar ao sol pra agora um jovem par de macacos falantes me passar a rasteira e ensombrar o meu reinado. O príncipe das estrelas sou eu e mais ninguém. ( Divo em crise de nervos .) Fico histérico só de pensar que alguém brilha mais do que eu.

Angélica : O Doutor Godot está muito parecido com o Ricardo III. Olhe que ele acabou mal!

Dr. Godot : Anacronismos! Só anacronismos! Eu não aguento mais anacronismos no meu jardim do éden!

Arcângela : Calma, o doutor é que começou, ao comparar a minha filha com a Antígona.

Dr. Godot : E tu estás feita com ela! Vou despedi-las às duas, sem indemnização. Afinal de contas, os sindicatos ainda não foram inventados.

Angélica : Deixe a minha mãe fora disto que ela não tem nada a ver com o que eu faço.

Dr. Godot : Tens muitas manias porque nasceste com asas. Mas elas pesam-te nas costas. Vou passar-te uma receita boa prá tua coluna. Arcângela!

Arcângela : Sim, doutor.

Dr. Godot : Corta as asas à tua filha!

Arcângela : Não! Por favor! Tudo menos isso. Corte-mas antes a mim. Ela é jovem. Ainda tem muito pra voar. Enquanto eu, estou em fim de carreira, quase à beira da reforma.

Dr. Godot : Não mintas pra salvar a tua filha. Eu bem sei que vocês, os aéreos, são imortais. ( Para Angélica .) Mas tu, Angélica, serás castigada. Por tua causa, deixei de poder contar com os meus filhos enxertados. Tornaste-os meus inimigos. ( Godot segura Arcângela para evitar que esta vá em socorro da filha .) O meu assistente toma conta do caso. Corta-lhe as asas, bem rentes! pra que levem séculos a nascer outra vez! ( O Assistente retira as asas de Angélica com uma navalha. Escorre sangue das feridas nas costas. Ela grita e, caída no chão, contorce-se de dor. Arcângela corre a consolá-la .) É esse o prémio que mereces por me teres afrontado. Sem asas o teu destino é rastejar plas estradas como as serpentes que aquecem a barriga no asfalto. Depois passam automóveis e quebram-te ao meio. E para ali hás-de ficar partida em duas, a rabear ao sol até seres um verme seco.

Adão : Godot! Pra que nos abriste os olhos? Se era só isto que tinhas pra nos mostrar de ti?!

Eva : Pra que nos deste a fala e a razão se não há razão pró mal que fizeste nem palavras pra curar a dor dos vivos?

Dr. Godot : ( Tapa os ouvidos, perturbado .) Arcângela! Leva daqui depressa estes dois! Expulsa-os do meu paraíso! Temos de partir. ( Para o Assistente .) Vê se há combustível no motor da nave! A Terra não é a nossa casa. Adão e Eva nunca foram meus filhos!

Arcângela : ( Para Adão e Eva .) Venham, meus amigos. Saiam deste jardim antes que ele se torne a vossa sepultura. ( Godot e o Assistente saem. Adão e Eva permanecem estáticos em cena atrás de Arcângela . Angélica ergue-se e caminha com dificuldade. ) O que vais fazer agora, filha?

Angélica : Terminar a minha missão. É preciso deitar fogo à árvore da vida. Se Godot levar consigo amostras de adn humano, há-de fazer clones pra servi-lo como escravos sexuais.

Arcângela : Maldita a hora em que te trouxe nesta viagem!

Angélica : Maldito o mal deste mundo que nos põe o mal em nós antes de nascermos. ( Sai de cena .)

Arcângela : A minha filha incendiou o laboratório. O Assistente tentou salvar os ficheiros de adn. Angélica lutou pra impedi-lo. Ele morreu devorado plas chamas. Mas Angélica não. Ninguém apaga o rasto dos aéreos. Dizem que o fogo e a ira a tornaram num anjo dos infernos. Eu não sei. Nunca mais a vi. Espero por ela ainda, assim como os netos de Adão e Eva continuam à espera de Godot. Não sei porquê. O que poderão esperar dele? Godot partiu sozinho na nave espacial e deve ter tido mais sorte com outras raças da galáxia. Depois de libertar Adão e Eva, decidi ficar neste planeta. Partilhei alegrias e horrores com os seus descendentes. Um filósofo chamou-me o Anjo da História. Era um judeu melancólico, o Walter. Marxista e místico. Ajudei-o a injectar-se com morfina quando fugia dos nazis. Eu abomino o suicídio dos mortais. Mas tenho muita experiência de enfermagem. O Walter sofria do coração e convenceu-me a fazer-lhe a eutanásia. Disse-me que se eu o ajudasse, ele seria aéreo como eu e ficaria a fazer-me companhia, porque me amava. Eu acreditei. A solidão assusta-me. E ele cumpriu a promessa. Não vos digo que sexo é o dos anjos. Fica prá próxima. Mas já não estou sozinha desde que o Walter está comigo. (Sai .)

Prometeu/Adão : Termina aqui a versão do Génesis segundo Nória. Os conteúdos da peça reflectem exclusivamente as convicções da sua autora e este teatro não se responsabiliza pelos danos morais causados em espectadores ortodoxos.

Nória/Eva : Esta é a minha história de Adão e Eva. «Por que razão que se perceba / Não há-de ser ela mais verdadeira / Que tudo quanto os filósofos pensam / E tudo quanto as religiões ensinam?» (1)

 
Lisboa/Évora, Março/2000 - Janeiro de 2004
(1) versos finais do poema VIII d' O Guardador de Rebanhos de Alberto Caeiro (Fernando Pessoa).
 
 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano