CASTRO GUEDES, encenador

URGENTE, PRECISA-SE:
GIACOMETTI E LOPES GRAÇA NO TEATRO!

A importância do teatro de raiz e tradição populares é decisiva não só para a compreensão do próprio teatro português no seu todo histórico, como parte integrante do nosso património cultural, mas mesmo como elemento de estudo sociológico e antropológico, julgo eu… Porém nada ou muito pouco tem sido feito. E pior: trata-se de um edifício a desmoronar de quem importa, no mínimo, registar a memória da existência, mesmo que sejam ruínas.

Aliás (numa componente de natureza mais urbana), algo de idêntico se poderia dizer quanto ao teatro de revista. Sobre o qual também se justifica o aprofundamento de duas peças muito interessantes, que são o livro de Vítor Pavão dos Santos e o guião do “Passa por mim no Rossio” do Lá Féria.  Mas adiante, que não é disso que aqui se trata: venho falar do teatro popular de raiz rural, descendente dos autos medievais (e dos romances de cavalaria da mesma época, como é o caso vertente da “Floripes” das Neves).

Existem, de facto, recolhas de autos populares de enorme significado e utilidade. Eu conheço duas edições, ambas datadas da década de 70: a de Azinhal Abelho na Colecção Metrópole e Ultramar, Editora Pax; e a de Leite de Vasconcellos com coordenação e notas de Machado Guerreiro, da responsabilidade da  Universidade de Coimbra. É muito provável que existam outras, sobretudo teses a nível académico, mas possivelmente mais centradas nesta ou naquela vertente particular e reduzidas a uma expressão literária ou, quando muito, fotograficamente ilustrada.  Tal como existe, abençoadamente, o filme documental de Manoel de Oliveira  “Acto da Primavera” (sobre o “Auto da Paixão” na Curalha). Mas era utilíssimo alargar a recolha de imagens no âmbito de um estudo teórico sobre essas práticas e para a sinalização mais exaustiva da coisa.

Com os meios tecnológicos ao nosso dispor (nomeadamente o vídeo), acho que não seria sequer muito caro constituir uma pequena equipa operacional, naturalmente enquadrada por quem tenha a base mínima de conhecimento sobre a matéria, e partir por aí fora não só à recolha de imagens e som, mas também de testemunhos e fazendo investigação no terreno. Digo-o um pouco à semelhança dessa obra preciosa que Giacometti e Lopes Graça realizaram nos anos 60 relativamente à música tradicional portuguesa.

Das festas dos “Caretos” em Trás-os-Montes às duas “Floripes” (tão diferentes: o auto nas Neves e a lenda em Olhão), das “Danças Dramáticas” na Ilha Terceira  às “Cavalhadas” em Valongo, há por aí um manancial de muitas mais expressões teatrais e para-teatrais de raiz popular a recolher. E, já agora, não apenas ao nível do espaço nacional, mas mesmo lusófono: quer o “Bumba meu Boi” no Brasil, quer o “Tchiloli” em São Tomé. Mas isto são meros exemplos! Urge uma recolha sistematizada para se constituir num acervo que está por fazer.

Pode ser que a declaração pela Unesco do tango como património imaterial da humanidade dê uma ajuda. Porque certamente não será da humanidade, mas este teatro de raiz e tradição populares é um património imaterial (a registar materialmente), que, não sendo caso completamente único na Europa, tem a virtude de daqui se ter espalhado por outros continentes  num registo cultural muito português com um vigor e amplitude enormes.

À partida julgo que um tal trabalho se enquadraria perfeitamente na missão do Inatel, pois trata-se, no fundo, de uma vertente da própria etnografia. Mas, obviamente, o carácter científico que um tal levantamento implica e o seu âmbito para lá das fronteiras nacionais não dispensam uma equipa própria profissionalizada para o realizar (em anos, certamente) e um universo mais largo de apoios e parceiros, mesmo que contando com parcerias locais das delegações distritais e de núcleos de associados da Fundação Inatel e algum financiamento desta.

Talvez se possa desafiar a Associação de Municípios para que as autarquias se comprometam num pré-levantamento e custeiem despesas locais. Talvez o Ministério da Cultura para que disponibilize alguns meios – nem que seja através das Delegações Regionais para não serem pouco mais do que figura decorativa - e reconduza depois o material para o Museu do Teatro, que seria seu sítio natural de estar. Talvez se possa fazer ainda uma parceria com uma Universidade através de uma Faculdade de Letras ou de um qualquer Departamento, no sentido de preparar o estudo e trabalhar os resultados. Talvez se possa encontrar um enquadramento que dê acesso a fundos europeus para reforços financeiros; ou talvez com o recurso a um mecenas privado com sensibilidade cultural possa ajudar. Talvez a CPLP ou outras organizações no âmbito das comunidades lusófonas se possam interessar proactivamente. Talvez o Instituto Camões tenha uma palavra a dizer no que e com o que possa colaborar. Talvez o Ministério dos Negócios Estrangeiros possa dar apoios logísticos para a componente internacional. Talvez a Fundação Oriente ajude nessa área do planeta. Ou a própria Fundação Gulbenkian queira retomar o bom hábito perdido de se interessar por coisas assim. Talvez também a RTP se queira redimir do telelixo que já começou a invadir mesmo a 2 e retomar essa sugestão que dei quando seu consultor. Talvez tudo isso junto, não sei!...

Não sei e pessoalmente não me estou a propor a nada. Talvez alguns dos recém-licenciados em Estudos Teatrais ou saídos dum curso de actores das Escolas Superiores, em vez de irem para o mercado dos Call Center, possam, com colegas e meios dos Departamentos Audiovisuais dos Institutos Politécnicos, fazer isto com gosto, empenho e a preços competitivos….

O que eu pessoalmente sei e (me) dou conta é da necessidade imperiosa de isto ser feito.

Castro Guedes

Encenador

No prelo aael

(jorge) castro guedes
encenador, natural do porto, nascido em 1954.
fundador e director artístico do tear (1977/1989), estagiou com jorge lavelli no théâtre national de la coline (paris) na temporada 88/89, autor e apresentador do magazine teatral "dramazine" na rtp2, onde foi consultor de teatro (90/93).
encenador convidado no teatro nacional dona maria II, serviço acart/gulbenkian, casa da comédia, teatro aberto/novo grupo, teatro villaret/morais e castro, teatro villaret/raul solnado, cendrev, filandorra, teatro universitário do porto, cenateca, plebeus avintenses.
director artístico do cdv - centro dramático de viana, companhia profissional residente no teatro municipal sá de miranda (viana do castelo).
professor convidado da escola superior de teatro e cinema (lisboa), escola superior de música e artes do espectáculo (porto), escola superior artística do porto, academia contemporânea do espectáculo (porto), convenção teatral europeia (lisboa), escola superior de hotelaria e turismo do estoril.
autor de "à esquerda do teu sorriso", peça em um acto, editora campo das letras; e de outras à espera de publicação.
acidentalmente copywritter na mccann/erikcson (90/92).
 
 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano