Procurar textos
 
 

 

 

 







 
SOPHIA, A VOZ QUE FICA
Selecta de Rui Mendes

Que Diz Sophia Um Dia
Por ALEXANDRA LUCAS COELHO

                        Falavam de ciganos, bailarinas e sílabas. Eram amigos há
                        mais de 40 anos. João Cabral escreveu: "que dirá Sofia
                        um dia?" Um dia, passados muitos anos, Sophia disse:
                        "Será que ele vai achar o céu muito abstracto?
                        Em três versos de um poema, perguntou João Cabral: "Sob
                        o sol de alma marinha / sob o sol inabitável / que dirá
                        Sofia um dia?" Um dia passados muitos anos, Sophia de
                        Mello Breyner Andresen abre estes versos no colo,
                        repete-os sorrindo como se só ela os ouvisse, e o que
                        então diz é uma pergunta: "Será que ele vai achar o céu
                        muito abstracto?"

                        Os amigos conhecem-se. Sophia e João Cabral de Melo Neto
                        eram amigos há mais de 40 anos. É uma longa e bela
                        história que começa com o amor de João Cabral aos
                        substantivos concretos. A primeira vez que se
                        encontraram, na Plaza Mayor de Sevilha, ele disse-lhe:
                        "Gosto muito da sua poesia: tem muito substantivo
                        concreto." Que poderia então dizer Sophia um dia? A
                        vontade do mais concreto céu, ainda que o poeta apenas
                        acreditasse (por temor) no inferno.
                        "Li algures", recorda Sophia na sua casa de Lisboa onde
                        João Cabral esteve tantas vezes, "que ele morreu a
                        rezar... Parece-me maravilhoso... Mas não falávamos de
                        Deus, nunca falámos de Deus." De que falavam? Com lenta
                        precisão, Sophia resume: "De ciganos, de bailarinas e de
                        sílabas."
                        Ele conheceu-a antes de ela o conhecer a ele. Lia-a.
                        Sabia-lhe os versos. Sabia já que ela era "o grande
                        poeta da minha geração em Portugal". Sophia não se
                        lembra ao certo do ano em que se encontraram, mas,
                        tomando a data da primeira dedicatória que João Cabral
                        lhe fez, terá sido em 1958. E é então possível imaginar
                        Sophia a caminho de Sevilha tal como a desenhou nesse
                        ano Arpad Szenes - o retrato está nesta mesma sala em
                        que falamos - belíssima como uma "madonna" num esboço de
                        Bellini.
                        "Foi maravilhoso, era em Setembro, o tempo estava
                        óptimo... Dois amigos nossos iam a Sevilha ver o João
                        Cabral e convidaram-nos. Ele arranjou-nos um hotel
                        óptimo, num antigo palácio, com um pátio lindo... Mas
                        antes tínhamos combinado encontrarmo-nos às 8h da noite
                        na Plaza Mayor. Foi então que vi um homem pequenino, um
                        pouco triste, que me disse: 'gosto muito da sua poesia,
                        tem muito substantivo concreto'! Nessa altura eu não
                        conhecia a poesia dele... Passámos uns dias
                        extraordinários: íamos almoçar sempre a casa do João
                        Cabral, durante as tardes líamos versos - eu lia os meus
                        e os dele, porque ele não gostava de ler em voz alta -,
                        à noite íamos ver as bailarinas dançar flamenco! Ele não
                        gostava de música, gostava de dança. Era um homem triste
                        divertido, uma coisa rara. Dizia com uma graça: 'nenhuma
                        mulher andou apaixonada por mim'!"
                        Foi assim, num luminoso Outono andaluz, dizendo os
                        versos de João Cabral diante de João Cabral, que Sophia
                        descobriu o poeta que depois tanto quis partilhar com
                        quem a lia - dedicando-lhe poemas, escrevendo sobre ele,
                        antologiando-o.
                        "O João Cabral tem um despojamento... como um extremo...
                        é prodigioso, inesperado. Ele achava que a inspiração
                        não lhe dava para linhas compridas! E nunca escrevia
                        cartas, dizia-me: 'Nós somos amigos há tanto tempo
                        porque não escrevemos cartas. Quem escreve cartas é que
                        se zanga."
                        Entre os livros de João Cabral que Sophia foi buscar à
                        sua estante-dos-livros-de-que-gosta, estão, por ordem
                        cronológica, "Duas Águas" (dedicatória de Sevilha, 1958)
                        "Terceira Feira" (Madrid, 1962, "A Educação Pela Pedra
                        (Berna, 1966) "Museu de Tudo (Dakar, 1976), "Auto do
                        Frade" (Rio, 1984) - a amizade entre os dois poetas
                        atravessa a geografia dos lugares em que João Cabral
                        esteve como diplomata.
                        O exemplar da antologia "Duas Águas" está tão manuseado
                        que a contracapa já não existe e a capa se descola
                        agora, enquanto Sophia a folheia em busca dos papéis que
                        João Cabral nunca soube que existiam, aqueles em que a
                        poeta portuguesa, com a sua letra miúda, o traduziu para
                        francês (ver reprodução): excertos de "Vida e Morte
                        Severina" e de "Uma Faca Só Lâmina", um dos poemas
                        favoritos de Sophia.
                        "Ele não gostava nada de ser traduzido... e eu nunca lhe
                        disse, nem nunca as publiquei." Relê devagar, recita
                        devagar. Francês era uma das línguas que João Cabral
                        falava e, como o poeta disse tantas vezes em
                        entrevistas, as únicas traduções para as quais suportava
                        olhar eram as feitas para línguas que desconhecia em
                        absoluto. Como japonês. Aí, dizia João Cabral,
                        parecia-lhe "lindo".
                        Agora Sophia está absorta a olhar a fotografia do amigo
                        na contracapa de um dos livros: "Vê como ele era triste?
                        Havia uma espécie de austeridade nele. Detestava o
                        barroco... há uma história extraordinária que o [poeta]
                        Murilo Mendes contava: uma noite o João Cabral estava
                        muito em baixo e anunciou ao Murilo que se ia matar. O
                        Murilo não dormiu toda a noite, preocupadíssimo. De
                        manhã, quando o João Cabral apareceu, o Murilo perguntou
                        o que se tinha passado e o João Cabral respondeu: 'eu
                        lembrei-me que me iam enterrar aqui [em Sevilha] e o
                        cemitério era barroco e eu tenho tal horror de
                        barroco...'!"
                        Recorda Sophia, falando no presente como se João Cabral
                        não tivesse partido, como se ainda fosse possível,
                        finalmente, ela partir para o visitar no Brasil, onde
                        nunca estiveram juntos: "É um homem de uma finura, um
                        aristocrata... E com algo de muito português, que lhe
                        vinha das origens." De João de Melo e Azevedo, açoriano
                        chegado ao Recife no século XVIII, que haveria de casar
                        com Teresa Cabral de Vasconcelos.
                        A última vez que se encontraram terá sido "há uns 12
                        anos", no Porto. O que Sophia hoje diz é como se tivesse
                        sido ontem. E ainda estivesse a ser. 

   
   

 

 

 


hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano