ROMILDO SANT'ANNA
Jornalismo e realidade virtual

Rezam os manuais de conduta que a essência do jornalismo é a responsabilidade moral pelas informações que transmite. Peneirando interesses e ouvindo-se todas as partes, deve referir ao fato com impessoalidade e isenção.  Orientei alguns programas de mestrado em jornalismo.  Num deles, denominado sugestivamente “Palanque de Papel”, o jornalista Luís Fernando Laranjeira analisou as ações de um jornal do Interior para a eleição de um prefeito, dono do próprio jornal.  Tais aberrações, tão freqüentes nos grotões próximos e longínquos, se agigantam hoje em dia no panorama internacional.

Poderosos órgãos de imprensa jogam no lixo o código de ética e compromisso com a verdade. Na guerra ao Iraque, agências de notícias, corporações televisivas e alguns jornais só deram a conhecer, por meios explícitos e simbólicos, o que interessava à maior potência do mundo. As informações, veiculadas para autenticar certos fins políticos e econômicos, fizeram da invasão ao país uma peça de ficção, a desrealização dos acontecimentos.  

O sociólogo morto recentemente Jean Baudrillard pensando na persuasão  controladora do mega-jornalismo, escreve que, nos dias atuais “não pensamos no virtual,; o virtual é que nos pensa”.  O “deve ser”, construído por certo jornalismo, impede a visão crítica da realidade ou a imaginação que se tem dela.  Alegorias dessa corrupção dos fatos são os filmes-denúncia “Wag the Dog” (“Mera Coincidência”) de Barry Levinson e “Mad City” (“O Quarto Poder”) de Costa Gavras. 

Interessante o artigo “El mundo CNN”, de Doris Vizcarrondo, publicado na revista “Comunicação, Mídia e Consumo”, da ESPM, São Paulo.  Mostra que, de acordo com pesquisa da própria CNN, o espectador norte-americano é desinformado.  Para a maioria, as próximas ameaças “incivilizadas” – Irã e Coréia do Norte – situam-se na Austrália.  Assim, pavimentada a ignorância, faz-se a manipulação política da informação.

Tendo como pressuposto a tradição nacionalista da história em quadrinhos e do cinema para a construção de heróis, super-heróis, realidades virtuais e estereótipos do que é bom, os EUA disseminam interna e externamente a ideologia higienista de “limpeza do mundo”.  Fora do parâmetro anglo-saxão, os não-aliados são bárbaros. Mais ou menos isto proclamava o truculento W. Bush, no auge da guerra ao Iraque.

Constata Vizcarrondo que o discurso estatal-jornalístico estadunidense, antes exemplo de defesa da verdade, hoje ignora o adventício e alheio. Quem não é o singular “nós” são os “outros”, ecoam insistentemente gigantes setores da mídia.  A interação diária com o falseamento da notícia, fragmentações do acontecido e o manejo das imagens para a escamoteação do real amoldam as maneiras de pensar e reagir e instrumentalizam interpretações e visões de mundo.

Isto, absolutamente assustador, legitima a violência, a tirania e desfaçatez reinante nos círculos do poder e que tornam decrépitas a ética, moralidade, bem-estar e convivência.  Como, cada vez mais, ou em conseqüência disto, há tão poucas instituições em que a sociedade se defenda, o jornalismo venal implica um péssimo futuro.

Romildo Sant'Anna, escritor e jornalista, é professor do curso de pós-graduação em "Comunicação" da Unimar - Universidade de Marílía, comentarista do jornal TEM Notícias - 2" edição, da TV TEM (Rede Globo) e curador do Museu de Arte Primitivista 'José Antônio da Silva' e Pinacoteca de São José do Rio Preto. Como escritor, ensaísta e crítico de arte, diretor de cinema e teatro, recebeu mais de 40 prêmios nacionais e internacionais. Mestre e Doutor pela USP e Livre-docente pela UNESP, é assessor científico da FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo). Foi sub-secretário regional da SBPC - Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência.
 

 


 

 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano