powered by FreeFind







::::::::::::::::::::Pedro Proença::::
O IRRECONHECÍVEL
Soneto XI
 

O retrato é o objecto de magia em que te enganas na devoção por algo amável que não sabemos o que é. É a ambiguidade entre o tu imagináriamente conversável e o ela do retrato, enquanto objecto de devaneios suspeitáveis.

O inapropriavel pronome afasta-me até de mim e torna mais irreais todos os pronomes e toda a nomeação. Depois disto nem os deuses poderás solicitar, casa os haja, para que te socorram em horas agudas.

Destilas prudências e sublimas o imprudente.

Regalam-te pensamentos à sobremesa, que recusas a provar ou a aproveitar. São esses que vão contigo para a cama. Frequentemente.

Examino-me como se me amaneirasse. Faço instrospecção abusando de vários estilos. A intimidade é um conjunto de bagatelas sob a batuta de um maestro snob. A retórica disfarça a sensibilidade, mas não a suprime.

Utilizas a cadeia da confiança como uma pressão que te aprisiona devagar.

Pavoneias gargalhadas como método de afastar confidências.

Mas a ingerência nos meus cuidados não permito, pois minhas ninharias jóias são.

A garganta é elegância e vulnerabilidade. Procura assomá-la como um criminoso que explora o crime com conforto e dignidade.

O artista é uma ave de rapina se o julgarmos pelo olhar.

A faculdade do prazer nivela as restantes faculdades por baixo.

A verdade é um sistema de provocações e de provações mais do que a evidência patética de provas.

A perícia na usurpação da lascívia alheia.

A voz vem como uma subtracção ao tempo.

 

 

 

 


hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano