powered by FreeFind







::::::::::::::::::::Pedro Proença::::
O IRRECONHECÍVEL
Soneto VI
 

Encaracolas o òdio em ferimentos sabidos.

A graça é a lascívia temperada. Tu julgas que a lascívia sai com lexívia, mas a suspeita do mal é uma arqueologia do bem. A àgua do poço da lascívia é puríssima. E os cuspos que trocamos com alexandrina luxúria são fecundos. Não sei bem se neste, se noutros «outros mundos».

Aqueles erros de aferição que a liberdade adora cometer...

Sou a ventura frequente e fremente de um coração que não consegue aprender a ser ausente.

Da beleza em que te encharcas, e dos anos anarcas, retiras os apropriados benefícios como uma retaliação às ironias alheias.

As nádegas, mais que a tentação, sugerem a topologia do fofo, o íman total onde nos poderemos afogar.

Arte delicada que te provoca, arte de te declarar maravilhosamente obscura, para que um Boucher te assalte com as cores claras que na paleta condimenta.

E quando uma mulher uiva de ânsias, deverás deixá-la-á em vinha-de-alhos até que o ressentimento prevaleça?

Que não sublimes no apalavrado mas te entregues para seres devorada pela minha ignorante astúcia.

É na ausência formilhante que assento.

As infâncias pedalam-te a beleza.

A juventude vagueia como um cometa que nunca regressa.

A sua formosura é o templo e a atempada tentação. O divino torna-se ainda mais sagrado na experiência da profanação.

No cadafalso da pulcritude falsificas o que em ti é já natural falsete.

 

 

 

 


hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano