powered by FreeFind







::::::::::::::::::::Pedro Proença::::
NAUGHTY-NOT-ME
INDEX
Versículos 71-80
Versículos 81-90
Versículos 91-100
Versículos 101-120
Versículos 121-130
Versículos 131-140
Versículos 141-145
Versículos 41-50
41

As modas fornecem o clima mimético a partir do qual entramos na auto-organização. A importância do ornamento é a de que nos fornece padrões sensíveis e partilháveis. O ornamento e a moda substituem a excitação da natureza numa simplificação ainda mais excitável. Essa excitação tranquiliza pela padronização mas cria uma tensão e uma ansiedade onde a natureza efectiva falta.

42

Forjamos zonas de circulação que nos permitem atrair as coisas como desfinalizadas e desfundamentadas. Já não estamos no estado de crítica da crítica da crítica de qualquer principio metafísico ou racional. Estamos mais interessados na emotividade teorica e no entusiasmo da experimentação dos processos. Não precisamos de nos mover porque tudo nos move.

43

Os Media não comunicam, apenas excomungam. Essa violência excomungante atiça-nos a condição de malditos. Mais do que alienados somos exilados numa maldição que dificilmente se ousa assumir.

44

O que controla o controle está a entrar fora de controle.

45

O homem está programado para adiar qualquer sentimento de plenitude de significado, o que esvaziaria, obviamente, a sua vida de qualquer espectativa de mais significado.

46

Procuramos cada vez mais que as nossas experiências se pareçam com as vertigens cinematográficas, mas ainda não adquirimos uma capacidade natural de montar o tempo. Cada vez mais a vida é uma colagem em que o lado épico se tornou eliptico.

47

O cinema tenta reinventar a condição intra-uterina. Temos a sensação errada que cada filme inicia qualquer coisa e que estamos metidos ao barulho. Mas os filmes desiniciam-nos sem nos finalizarem. Quando terminam espectralizam a nossa vida. Mas não durante muito tempo.

48

Não há simultaneidade nem sequênciamento. Só temos o presente com o qual nunca chegamos a ser familiares. É essa falta de familiaridade que nos obriga a inventar mitologias. A causa das mitologias é uma disfunção na assimilação do tempo.

49

O homem tem uma vontade adaptativa que não se contenta com o seu ambiente. Por isso cria espaços de inadaptação, com os quais enceta lutas absurdas. As cidades são complexos esquemas que satisfazem um certo desejo de auto-agressão. O homem, porém ainda não se deixou derrotar ou morrer.

50

Os perigos existem como molduras excitantes de eventuais acções. Não é o interprete que propõe decifrações, são as decifrações que procuram actores que as representem decentemente. O que torna tudo um pouco teatral, e, consequentemente, menos ilusório.

 
 
 

 

 

 


hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano