Procurar imagens
     
Procurar textos
 

 

 

 

 


 

 

JOSÉ AFONSO
ZECA AFONSO
Eu vou ser como a Toupeira
Eu vou ser como a toupeira
Que esburaca
Penitência, diz a hidra
Quando à seca
Eu vou ser como a gibóia
Que atormenta
Não há luz que não se veja
Da charneca

E não me digas agora
Estás à espera
Penitência diz a hidra
Quando à seca
E se te enfias na toca
És como ela

Quero-me à minha vontade
Não na tua
Ó hidra, diz-me a verdade
Nua e crua
Mais vale dar numa sarjeta
Que na mão
De quem nos inveja a vida
E tira o pão

 
 
 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano