RUY VENTURA
HABITAÇÃO DO TEMPO
memória
 

mal oiço o som do alaúde em tua casa.
não consigo ver a pomba
voando sobre a cinza,
no sepulcro da ruína e desta alma.
exumei com os olhos
o mosaico que rodeava, talvez, esse coração –
mergulhado na água e na melodia.

séculos depois, encontro esse rosto
tão cedo escondido.
desenhado no mármore.
como numa fotografia.
esse sorriso escavando a penumbra da nave –

a iluminação das lágrimas
no interior do vidro.

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano