RUY VENTURA:::

A depressão nacional

Sou um leitor compulsivo, embora com bico doce. Ao contrário de alguns amigos e confrades meus, que se preocupam sobretudo com a escrita das suas “coisas”, ao longo dos anos tenho-me preocupado sobretudo em ler, ler bastante – e nunca achei, até hoje, que tenha lido demais. Como diria o escritor argentino Jorge Luis Borges, a única angústia de quem tem uma biblioteca é saber que nunca poderá lê-la por inteiro. Um dos hábitos que mantenho desde a adolescência consiste na transcrição, em cadernos pautados de humilde factura, de excertos que me vão estimulando nos textos lidos. É uma forma discreta de lhes manifestar a minha amizade. Há dias, folheando um desses “Diários de Leituras”, veio ao meu encontro um trecho de Georges Bernanos, escritor católico francês, admirável na sua verticalidade. No seu romance intitulado Diário de Um Pároco de Aldeia escreve a dado passo:

“[…] o Estado principia por mostrar boa cara diante dos infelizes. Toma conta dos garotos, cuida dos estropiados, lava as camisas e faz a sopa dos mendigos, esfrega os escarradores dos velhos senis, mas tudo isto sem deixar de olhar para o relógio e perguntar a si mesmo se irá ter tempo para se ocupar dos seus próprios negócios.”

Acolhi-o como foco luminoso numa época como aquela que atravessamos no mundo, mas sobretudo em Portugal. Ajudou-me a confirmar a convicção de que o fundamento principal da depressão crónica em que mergulharam os portugueses está num forte sentimento de abandono. O Estado português, entidade abstracta tornada física em todos quantos lhe dão corpo e movimento, tem abandonado os cidadãos deste país em boa parte da sua história. Tivemos momentos de esperança, mas sempre que avistámos raios de luz – naquelas parcelas de tempo em que a democracia se aproximava da realidade –, a inércia, a hipocrisia e a corrupção foram fazendo o seu trabalho. Nomeadamente, colocando (em lugares-chave da gestão pública e da administração) pessoas cuja competência se concretizou e concretiza apenas no momento em que os seus interesses e os da sua clientela política e social foram e são satisfeitos, institucionalizando (usando a justiça e a fiscalidade, por exemplo) oligarquias corruptas que, em vários períodos, transformaram o governo numa autêntica plutocracia.

          É difícil não se pensar assim quando se é cidadão português e não se tem a barriga cheia. Existem, em Portugal, exemplos de boa conduta, de exigência social, de devoção abnegada ao bem comum? Claro que sim. Não tranquilizam, contudo, os portugueses que ainda têm honra (essa palavra infelizmente em desuso). Quem poderá estar descansado quando tem sobre a cabeça a ameaça de um Estado abusador e negligente? A fiscalidade sobrecarrega a classe média para aliviar os poderosos e aquietar os ociosos. Por todo o lado é promovida gente sem currículo nem competência, mas com mal-disfarçada vontade de “subir”. O mérito é desvalorizado, premiando-se antes a obediência à iniquidade. Várias escolas e muitos pais tentam camuflar o insucesso educativo. Os direitos e ansiedades dos cidadãos são desprezados. A gestão do território em termos ambientais, urbanísticos, económicos e culturais facilita o tráfico de influências. Há empresários que impunemente exploram o trabalho com chantagens e com atrasos no pagamento dos merecidos salários, que fecham ou mudam a localização das suas empresas. Sectores estratégicos da vida nacional são colocados em mãos privadas ou estrangeiras. O governo tenta diminuir a despesa pública indo pelas vias mais fáceis, mas menos justas, evitando afrontar os que verdadeiramente são poder em Portugal.

Os exemplos são múltiplos e variados. Claro que existem muito boas práticas nalguns locais – mas chegará tão curto lenço para cobrir a larga face de tão grande negrume? Além disso, a nossa miopia e a nossa falta de memória obriga-nos a fugir de um verdadeiro exame de consciência como o diabo da cruz. Preferimos antes aceitar passivamente a manipulação televisiva ou internética e esquecer quanto fomos e somos enganados pela mania das grandezas, pelas seduções do consumismo, pela inveja e pela ambição desmedida.

O autor da letra do hino nacional escreveu em 1890: “Levantai hoje de novo o esplendor de Portugal...” Deveríamos dirigir-nos assim aos que nos governam neste momento difícil, exigindo-lhes um saneamento profundo do Estado português e exigindo a nós próprios uma rigorosa moralização da vivência social, no âmbito de uma ética democrática fundada na responsabilidade. Os canhões contra os quais devemos marchar são hoje a irresponsabilidade, a mediocridade, a chantagem, a incompetência e a corrupção. E só com autocrítica, coragem e frontalidade os podemos enfrentar. Pergunto-me tantas vezes: teriam fugido os vendilhões do Templo de Jerusalém se Jesus Cristo lhes tivesse falado com brandura?

Será talvez verdade: “uma vez que os costumes estão estabelecidos e os preconceitos enraizados, é uma empresa perigosa e vã querer reformá-los – o povo não pode mesmo suportar que toquem nos seus males para os destruir, tal como os doentes estúpidos e sem coragem, que estremecem à vista do médico”, como escreveu Jean-Jacques Rousseau. Serão também verdadeiras as palavras, proféticas e assustadoras, de Raul Brandão (escritas, vejam só, há quase cem anos): “O rico explora o desgraçado, já não há homem nenhum que não se sinta afrontado e que no íntimo não deseje que isto desabe… Só falta um passo. O que falta é exteriorizar a nossa alma. Essa sociedade anticristã, que aí está, não merece ser poupada: não só não crê em Deus como só crê na matéria e no gozo.” Mas, como diz o nosso povo, o povo humilde que salvou sempre este país, a esperança é a última virtude a morrer.

RUY VENTURA (Portalegre, 1973)
http://ruyventura.blogspot.com/2010/12/ruy-ventura-esboco-de-uma.html

 
 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano