RONALDO WERNECK

Poeta, Cronista, Editor, Assessor de Comunicação e Produtor Cultural. Nasceu em Cataguases-MG e morou por mais de 30 anos na cidade do Rio de Janeiro. In:
http://www.ronaldowerneck.com.br/
 

Poemas natalinos

Velhos Natais 

                                                           sim

não existem mais

                           sinos

       meninos

                 os velhos ais

não

          sim

                    não existem mais

                    sons

      sonhos

                   sinos

                   címbalos

                   símbolos

                                    sim

não existem mais

presentes

                  no passado

meninos

                                          janelas abertas

na memória

                           velhas histórias

não

           nós

           nozes

           velas

                      nós na garganta

                      velhas vozes

sim

        não

– que adianta? –

                    não existem mais

coisas que tais

                          hoje só

                                   só sons

                          estranhos

martelando

                          a madrugada

ruídos rompendo

     interrompendo

                    janelas fechadas

a manhã

                     presentes-ausentes

                           hoje só

pressentes

                os sinos

        sim

                 os sinos

não

             os velhos ais

                             uais de nunca jamais

não

     noites

             não

                  nozes

                          não

                              vozes

veladas vozes

        de outroragora

                                     sambam soltas

                        entre as frestas

                        da janela

             de nunca

                             jamais

                               entre as festas

                        de velhos

             anelos

                        belos

                                   tanto

 

                      tontos

        natais

atônitos.

 

 

Ronaldo Werneck . Rio, 1991

Natal de Casanova 

já em dezembro,

natal de prova,

me surpreendo

de casanova.

 

ano que vai,

vida que vem.

vem me ver, vai

olha que trem

 

sai daqui, sai

belém-blém-blém

nada é igual:

 

tudo renova

a vida pau

pra toda prova.

 

Ronaldo Werneck . Cataguases, 1999

Trem de Natal 

tudo tem tudo trem

do ano que vai e vem

pra você: este brilho

viajor, andarilho

 

ano que vem e cai

agora: berço-embalo

tudo sim tudo claro

tudo que vem e vai

 

nada neste natal

nada nada fará

nada bem nada mal

nada ao tudo faltar

 

tudo improvisar

tudo novo janeiros

tudo ao deus dará

tudo de novo: ei-los

 

os dias sem estepe

um sambinha de breque

tudo salamaleques

do ronaldo werneck 

 

Cataguases, 2004

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano