CARLOS PERES FEIO
Depois deles
- ode marítima -

TOUT seul, sur le quai désert,
dans ce matin d’ Été

também eu fui tomado
por esse mistério dos mares
pelo vapor que inalei em menino
na minha viagem pelo Índico
dessa sensação de ser teu continuador
ao perceber que as válvulas te fazem navegar
e de vela nada saber

admiro-te porque na tua viagem
ousaste sonhar um povo
que não cabia em nós
nem em ti que eras grande
tiveste o mérito de produzires
sem quereres
outros poetas

La Mer a des fonds nus de sable fin

onde julgo repousar Cinatti
aquele que mostra o sofrimento
em que viveu
assombrado por memórias
de irmãos mártires
sacrificados nas Índias
nestas dos nossos tempos
pela vontade de outros dos nossos
que não conseguiram ver
os sinais dos dias
e nos têm obrigado
a beber água salgada
a dos mortos afogados

TANDIS que dans la mer des Caraïbes

uma Natália nascia
para nos dar conta da revolta
onde os salpicos do mar salgado
vão mais fundo
passam por nós enquanto corsários
mostram o seu orgulho e raiva
de não ter filhos

para algumas revoltas
não basta ser português
é preciso ser mulher ser nuvem
e sobretudo
rosa furtiva

AH! La saudade de ces milles salés, sans corps

dizia Nemésio poeta maior
com um sentir único
só possível na vida das ilhas
feitas de espuma e névoa
onda a desejar ser do lado
onde as coisas acontecem

ser ilhéu português poeta
é carga demasiada
muitos exemplos mostram
que só por isso são empurrados
para o génio
e chega sempre a hora

IL Y A une heure, il y a une heure exacte
où un million de personnes sortent dans la rue

convida Cesariny para não ir só
neste filme urbano
mostra de toda uma cidade
que vai da manicura à prostituta
onde um enforcado pelo próprio trabalho
fica bem no cenário surrealista
que veste este artista maior
conseguindo chegar ao rio da sua Lisboa
confessa que a vontade seria
embarcar em naus dos nossos dias
cacilheiros apinhados
de herdeiros deserdados

QUELQU’UN sait-il ce qui se voit du quai…

já barra fora interroga Júdice
demasiado sol na cabeça
na sorte das escuras ideias
saírem iluminadas em frases poéticas

confesso pouco mais me ficou
que o registo de caranguejos
orgasmos e obscenidades
não fossem elas precisas
nesta viagem encetada
sem sair do mesmo cais

ici je ne te fais que les simples relations
de ces navires perdus dans l´écho du temps

mas ainda estou vivo acordado
diz Al Berto
esse sim um mar de solidão
aquele que verdadeiramente
nos sofrimentos da terra
me contou a epopeia dos mares
nele reconheço a alma lusa

às águas estou ligado
no ar o meu sal
vivi sempre à beira-mar


carlos peres feio - 2009

Curta história:
1
Em toda a minha longa vida, só publiquei artigos técnicos de engenharia, textos para cursos de formação, participações em revistas, tudo isto fora da literatura .

2
Nos anos 70, tive alguns textos em prosa e versos publicados no jornal O Mensageiro, de Leiria.

Na Antena 2, Paulo Rato já disse versos meus, no programa "Os Sons Férteis"

3
Tenho versos no meu blog "podiamsermais" a partir de 2003, e também nas listas Escritas e na lista Letras Outros bloguistas amigos também publicaram versos meus.

O meu blog já foi referenciado na revista Storm ...e agora TriploV...!

Embora escreva versos desde há 30 anos, brinco dizendo que sou uma revelação, uma promessa!

Em boa verdade escrevo pouco, com muito prazer quando inspirado, e de certeza porque estimulado por gente amiga, conhecida na net.

A autarquia onde vivo manifestou a vontade de me publicar um livro de versos, mas com autarquias desde a intenção à realização, nunca se sabe!

Publicar um livro com 20 ou 30 poemas é o meu objectivo e um destes dias acontecerá, espero.

Carlos Peres Feio

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano