Procurar imagens
     
Procurar textos
 

 

 

 

 


 

 

JOÃO RASTEIRO

SOB AS ÁRVORES


Sob as árvores

Mas lá ficaram eles ainda em seu sossego
Estendidos, desabotoados, gratos, sob as árvores
Seamus Heaney

Uma árvore para ter
a raiz dos ventres incandescentes
um ninho de rizomas ocultos
um sopro inicial habitado
de magnólias cegas de pele.

Uma árvore de aguçados dentes
que devora as pedras e a memória
a inocência estranguladora
onde se respira a luz o branco
um atalho secreto de narcisos
um olfacto polido dilatado
nos braços das cassiopeias
nos favos das lascas nuas
entre o espaço e a respiração.

Uma árvore desnudada de aves
sobre a melancolia das açucenas
ou um eco sem contornos
na raiva incolor da borracheira
porque na carne fissurada da terra
entre a folhagem e o fogo
a argila se transmuda.

Um corpo mineral dentro
do ciclo das estações coaguladas
sempre a adoração da árvore
a vergar folhas abertas no voo.

Um corpo rompendo as membranas
da própria árvore contra o cansaço
com o sangue escorrendo às raízes
o fio da água sob as virilhas
na pedra nocturna das cidades
a árvore de Judas seduz a fera

Na volátil seiva das árvores
desço às silenciosas cicatrizes da fala
simulando a ressurreição da morte.

 
 

 



 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano