Procurar imagens
     
Procurar textos
 

 

 

 

 


 

 

JOÃO RASTEIRO:...:::

O gigante da montanha azul

Não dorme ninguém sob as tâmaras dos céus. Ninguém
é perfeito e divino como um misterioso livro de horas.
Não sangra ninguém sobre as cidades altivas da Palestina,
agora as ressacas de luz alimentam a dança das serpentes
e a noite queima-se entre os dorsos das trevas dos Filisteus.

Apenas jovens deuses entregues ao fogo dos músculos
atulham a densa tristeza das flores. Na urdidura dos ecos
suplicam a eternidade do corpo, ouro e esplendor das palavras
que emanam eflúvios de todas as coisas imaginadas, ousadas
nos cílios de Abu 'Awdah, alucinadas primaveras que têm bocas
cegas como o sangue do cordeiro. Os novos reinos do sacrifício,
a cabeça de Sansão encostada ao nome, impotente ao tumulto
da flor que brota como uma horizonte de espinhos faiscantes.
Decepada para além do símbolo sagrado dos mortos, a figura
inexplicável do gigante da montanha azul em negro na fábula
que se esgrime contra a fábula: o veneno e a máscara dos teatros.

Não dorme ninguém. Mas se alguém tem o alfabeto nas têmporas,
abrir-se-á o alçapão dos céus para abrigar os verões secos e quentes
que requerem o silêncio – à volta das crias anoitece, têm todas
o coração queimado, em Hebron está toda a cegueira de Abhrāhām.

JOÃO RASTEIRO (Coimbra - Portugal, 1965). Poeta e ensaísta. É sócio da Associação Portuguesa de Escritores, membro do Conselho Editorial da Revista Oficina de Poesia e do Conselho Editorial da revista brasileira Confraria do Vento (versão impressa). É delegado em Portugal da Revista Italiana “Il Convivio” e colaborador da revista colombiana de poesia, “Arquitrave”(em 2008 deverá sair de sua responsabilidade, um número especial dedicado à nova poesia portuguesa). Tem poemas publicados em várias Revistas e Antologias em Portugal, Brasil, Colômbia, Itália e Espanha e possui poemas traduzidos para o Espanhol, Italiano, Inglês, Francês e Finlandês. Publicou os livros de poesia, A Respiração das Vértebras (Sagesse, 2001), No Centro do Arco (Palimage, 2003) e Os Cílios Maternos (Palimage, 2005) e O Búzio de Istambul (Palimage, 2008). Obteve vários prémios, nomeadamente uma “Menção Honrosa” no Concurso Internacional “Poesie Sulle Piastrelle”(Zacem – Itália,2001), a Segnalazione di Merito no Concurso Internacionale de Poesia: Publio Virgilio Marone (Itália,2003) e o 1º prémio no Concurso de Poesia e Conto: Cinco Povos Cinco Nações, 2004. Em 2005 integrou a antologia: “Cânticos da Fronteira/Cánticos de la Frontera (Trilce Ediciones – Salamanca). Em 2007 f oi convidado a participar no III Festival Internacional de poesia de Granada – Nicarágua e integrou a antologia: “Transnatural”(projecto multidisciplinar que tem como tema o Jardim Botânico da Universidade de Coimbra) – Editora Artez. Em Maio de 2007, f oi um dos poetas participantes nos VI Encontros Internacionais de Poetas de Coimbra, F.L.U.C. - Universidade de Coimbra. Mantém em dia o fulgor insane do Blogue: http://www.nocentrodoarco.blogspot.com/ E-mail: jjrasteiro@sapo.pt

 



 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano