Procurar imagens
     
Procurar textos
 

 

 

 

 


 

 

Gustavo Dourado
Fada Cristalina - Cordel para Cora Coralina

Ana Lins Guimarães Peixoto Bretas:
Nossa Cora Coralina...
Veio ao mundo em Goiás
Fada de alma cristalina
Uma dádiva do Cerrado:
Fez poesia diamantina...

Ano 1889:
A 20 de agosto nasceu
Bem a frente do seu tempo
Muita história concebeu
O papel social da mulher
Cora sempre empreendeu...

Desde menina escrevia:
Teve primária instrução
Aninha da Ponte da Lapa:
Doceira por profissão
Nas faculdades da vida
Fez sua revôolução...

Personagem planaltina:
Tradição do Interior
Cursou as primeiras letras
Teceu a arte do amor
Sua mestra foi Silvina:
Professora de louvor.

Iniciou aos quatorze
A arte da escritura
Primeiros poemas e contos
Ritmados com ternura
Sua "Tragédia na Roça":
Primeira literatura...

Em 1911:
Fugiu com o namorado:
Cantídio Tolentino Bretas
Foi o homem bem amado
Pai dos seus seis filhos:
O amante enamorado...

São Paulo em sua história
Foi em Jabuticabal
Lá casou-se com Cantídio:
Foi mãe-mulher sem-igual
Amou a sua família
Com carinho fraternal...

Semana de Arte Moderna:
Não pode participar
O marido não deixou
Foi dose de amargar
Mário e Oswald de Andrade:
Só puderam resmungar...

Ano 1934:
O marido faleceu
Foi um baque para Cora:
Ela não esmoreceu
Para criar a família:
Muito doce ela vendeu...

Ano 1956:
Para Goiás retornou
Na velha casa da ponte
Novamente ela morou
Luta, doce e poesia:
Sua voz não se calou...

No retorno a Goiás:
Renovou a criação
Deu vida à sua obra
Com fé e elaboração
Tem verve de cordelista:
Fez bela transmutação...

Poemas dos Becos de Goiás e Outros Mais:
Primeiro livro publicado
Era 1965:
O livro foi editado
Versos de uma mulher:
Que orgulha o seu Estado...

Estórias da Casa Velha da Ponte:
Fez "Meu Livro de Cordel"...
Poemas dos Becos de Goiás e
Estórias Mais"...no papel
O Tesouro da Casa Velha:
Sua poesia é hidromel...

Escreveu "Os Meninos Verdes"
"Vintém de Cobre" nos deu
Deixou poemas inéditos
Vasta obra empreendeu
Sobre o Brasil e sua gente:
Presença no verso seu...

A Moda de Ouro que o Pato Engoliu:
Viagem ao mundo infantil
Cora amava as crianças
E adorava o Brasil
Merece toda homenagem:
Para Cora...Nota mil...

Cora Coragem, Cora Poesia
O Cântico da Volta elaborou
Sua terra e o seu povo:
Como ninguém, exaltou
Doutora Honoris Causa:
Cora: a vida doutorou...

Foi longa a sua vida:
Ganhou notoriedade
É um símbolo da mulher
Luz da criatividade
Recebeu grande elogio:
Do vate Drummond de Andrade...

Conquistou o Juca Pato:
Vários prêmios recebeu
No Encontro das Mulheres:
O povo a reconheceu
Escritora luminosa:
Tanto fez que mereceu...

Ano 1985:
A 10 de abril faleceu
Foi morar no paraíso
São Pedro sua obra leu
Na eterna academia:
Ganhou 10 do Galielu...

Cora é um exemplo
Para a brasilidade
Mulher empreendedora
Alta personalidade
Cultivou boa poesia:
Foi ás da fraternidade...

Grande Prêmio da Crítica:
Da APCA recebeu...
Troféu Cora Coralina:
O Estado do Rio concedeu
A Universidade de Goiás:
Sua arte reconheceu...

Cristalizou a doçura
Com sua simplicidade
Sua poesia é bela
Flui a arte da verdade
Cora Coralina é luz:
No mundo da eternidade...

Culinária e Tradição:
Mais religiosidade
É um mito do Sertão
Uma deusa da saudade
Talentosa e criativa:
Lutou pela liberdade...

Sua poesia é direta:
Tem engenho e primor
Sensível e humanista
De infinito valor
Ana Cora Coralina:
Deusa em forma de flor...

Gustavo Dourado. Poeta e cordelista. Letras(UnB)
Pós-graduação em artes, literatura, teatro, gestão e linguagens artísticas.
Autor de 9 livros. Premiado na Áustria. Selecionado pela Unesco.
Tema de teses de mestrado e doutorado.

www.gustavodourado.com.br
www.gustavodourado.com.br/cordel.htm

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano