Procurar imagens
     
Procurar textos
 

 

 

 

 


 

 

Gustavo Dourado
Romances de Cordel
Cordel da Fome
(à medida do homem)
http://www.astrolabio.net/opine/publicaciones/113467157048278.html
Em Memória de Josué de Castro, Betinho,
Jorge Amado, Raul Seixas e
João Cabral de Melo Neto...
Aos Mártires do Brasil e do Mundo...
Aos que lutam por um mundo melhor...
Geografia da fome
É um livro universal...
Disseca a realidade
Da terra do carnaval...
Da sub-desnutrição
Via multinacional...

Josué lembra os Sertões
O Quinze, a Bagaceira
Vidas Secas-Lampião,
Patativa, Zé Limeira...
Repente-Cordel-Cangaço
Xaxado... Mulher–Rendeira

Josué mártir–guerreiro:
A fome nos violenta,
Tortura a população
Desnutre...Desorienta.
Fome de Educação...
É oito ou é oitenta...

Mestre da geografia
Médico e pensador
Diplomata e filósofo
Cientista-escritor
Homem público-honesto
Inteligente-criador...

Foste profeta da fome,
Perseguido-exilado
Embaixador em Genebra,
Na ONU foi destacado...
Por sua capacidade:
Ao Nobel foi indicado...

Pobres homens-caranguejos,
Comendo lixo e lama...
Seres sem-terra, sem-teto,
Vítimas da grande trama
Tornam-se anões-gabirus
Sem escola e sem cama...

Humanidade faminta,
De amor, prazer e pão
Falta escola, falta paz...
Só não falta exploração
Falta o feijão com arroz:
Na novela da opressão...

Fome global no mundo
No Brasil: calamidade...
Desemprego-Desgoverno
Subnutrem a verdade.
A fome devora a vida:
No campo e na cidade...

Fome histórico-geográfica,
Neste Brasil continente.
Devora o trabalhador,
Com salário deprimente.
Carcome a vitalidade
E a luz de nossa gente...

A corrupção impera
No coração do Brasil
Alibabás e vis lalaus
multiplicam-se por mil
Entregam nosso patrimônio
Ao estrangeiro hostil

Guaribas e Cearás
Vitimados pela fome
O terror massacra o povo
Analfabeto sem nome...
Gringos comem caviar
Em SP, Londres, Maiame...

A fome assola a terra...
O Brasil de Sul a Norte
Saara... Afeganistão...
La fome é irmã da morte
Xangô Cristo Alá Tupã:
Como fica nossa sorte?

O que será do Brasil?!
Tanta renda concentrada!
A fome matando a plebe...
Amazônia devastada...
O que será do planalto?
Terá luz na alvorada?

Até quando o descaso?
A grande massa espoliada
Trabalhadores com fome,
Sem salário, na jornada...
Sem-terra, sem esperança,
Se alimentando do nada?!

A fome é um dilema
Neste país-continente
Falta lastro e competência,
Pra elite dirigente,
Que mata o povo de fome:
Raiva dengue dor de dente...

Severinos retirantes,
Favelados na miséria,
Governantes! Olho vivo...
A situação é séria...
O povo já virou gado:
Nessa vida deletéria.

O povo vive inchado
Por falta de nutriente...
O povo está calado,
Porém, não está contente,
Quer mudar o paradigma,
Da gestão incompetente.

Valei-nos Santa Quitéria,
São Cristóvão, São Joaquim,
São Lutero, São Calvino,
Na inquisição do fim...
Varrei a fome do mundo:
São Miguel, São Serafim.

Valei-nos Nossa Senhora,
Nosso Senhor do Bonfim
Minha mãe Aparecida...
O que é que será de mim?!
Com o salário congelado:,
Será que será o fim?!!

Valei-me meu Padim Ciço
São Pedro e São João
A fome devora o povo
Com tanta corrupção...
Impera dor no palácio:
Acuda... Frei Damião...

Na Vila Estrutural,
Sombria desnutrição,
Nos recantos-samambaias,
Nas favelas da ilusão...
Valei-me Santa Maria
E meu São Sebastião

Está na hora de mudar
Repartir melhor a renda,
Com aluno bem nutrido
Qualidade na merenda
Espero chegar ao dia:
Que a fome seja lenda...

O latifúndio esfomeia
Traz o êxodo rural
Faveliza o cidadão
Dilacera o social
Reforma agrária, urgente:
Grita a plebe marginal

Na luta, na resistência:,
Zés, Zumbis e Conselheiros
Quilombos e contestados,
Nos Canudos brasileiros
Escreveram a História:
Patriotas verdadeiros...

Exportam o alimento
Pra Europa e Japão,
O povo fica faminto
Comendo luz-ilusão
Maqueiam a fome com novela:
Mascaram na televisão...

Revolucionar o estado
E a nação transformar
Conquistar soberania
E a fome exterminar...
Fazer o povo feliz:
"Cante lá, que eu canto cá"...

Ao jovem Mestre Rodrigo
Nosso vate comandante
Aos colegas de Escola...
Lutadores, sempre avante
Gente que combate a fome,
Faz Josué, triunfante...

A vida na linha de frente:
Luminosa, radiante...
Amor, uma obra-prima,
Universal...Transmutante
A Arte nos alimenta:
Com a leitura de Dante...

A todos, nossa amizade...
E nossa admiração...
É preciso consciência
Pra melhorar a Gestão...
Desejo paz e sucesso:
Mundo em Revôolução...


Apresentado como Trabalho nota 10 no Curso de Pós-Graduação Em Gestão
Pública 2001/2002
ONU/ESCOLA DE GOVERNO
Gustavo Dourado
www.gustavodourado.com.br
www.gustavodourado.com.br/cordel.htm
www.phalabora.ta-na.net
Site e antologia selecionados pela Unesco

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano