Procurar textos
 
 

 

 

 





--
FERNANDO BOTTO SEMEDO
FEMININA DOR DOS SANTOS
Os teus seios alvíssimos são leite infinito,

Que as estrelas bebem quando se deitam no mármore dos anjos,

Ó doçura fria, em tórridos dias, quando me cai a mente para o asfalto

De sangue, da dor dos santos, bebido pelos insectos de Deus,

Pela sua alma alucinada e saudosa.

 

Ó companheira, que me dás todos os versos de todos os poemas,

Fica sempre, como costumas ficar, junto da folha, cheia de desejo,

Dando-me todas as visões divinas,

ó mãe eterna dos loucos e da Virgem Maria

E de toda a descendência das guerras fêmeas,

quando a destruição da realidade

Se ergue, como poderosa sabedoria para a edificação das fotografias

De toda a antiga realeza, com grandes barbas de arame farpado,

E de primaveras operárias!

 

Bendita sejas para sempre, e dá a Deus as minhas orações

e o meu sofrimento,

Em espelhos de palavras imperceptíveis,

para a construção de um Céu eterno

Em vitrais atómicos.

 

 

 

 


hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano