Procurar textos
 
 

 

 

 







--
Fernando Botto Semedo
DEUS É AMOR
"Deus é amor"
Bento XVI

O “amor de Deus” senti-o muito, desde sempre:

Ó lancinantes dores, ó operações tantas ao corpo deficiente.

Dor pelas paredes brancas, dor por Londres inteira,

Num grito inescutado e permanente. O nada existe:

Nas anestesias nada existe, puro vazio no interior de um puro vácuo.

O “amor de Deus”: oh! sentido tantas vezes!, pois “Deus é amor”!

Gritos da ambulância num lugar junto à morte, tubos de oxigénio,

Urina, sangue enchendo o ventre, tensão arterial quase nula.

Não havia flores, nem lágrimas. Apenas um abismo

Jamais entrevisto. E a tua presença, junto à minha dor,

Ó sempre enfermeiro e amor e irmão. “Deus é amor”.

Desde sempre o foi, como uma tortura sem fim, desmedida e podre:

O destino, desde quando nasci: não chorar porque

Já sem lágrimas, de tantas, não gritar mais porque já sem voz,

Desaparecida. Mas sempre a vossa presença de amor,

Que ainda hoje me ampara.

 

Em redor, um circo infinito, que aplaude, desde sempre.

 

 

 

 


hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano