Paulo Brito e Abreu..........

Ars Magna

à memória de Raimundo Lúllio

à Maria Estela Guedes

aos Iluminados da Baviera

 Alguém vibra junto à porta

Na alameda das olaias.

É d’Amor. Será a morta?

É do mel. E são as Maias.

 

Alguém vibra e alguém sente,

No meu quarto, alguém delira.

E comenta, quando mente,

E ela tange a sua Lira.

 

Alguém vibra junto ao Céu,

Entremez d’Amor e trigo:

É qual Sol e solidéu,

É Camões, e está comigo.

 

Mas por fim, alguém serena,

Verde campo, eu vejo a tal:

A pastora toca a avena

E eu canto a Pastoral.

 

 

 

Lisboa, 09/05/2006

 

AD MAJOREM DEI GLORIAM 

PAULO JORGE BRITO E ABREU

 
 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano