Procurar textos
 
 

 

 

 

 






A. MEIRELES GRAÇA
Um sem nação…
E eu ali de novo, sem saber
Lista na mão e pronto p’ra votar
Tracei a cruz no quadro anti-poder
Na vaga sensação de vomitar!

Que tão cansado vou da porcaria
De funestas promessas, desenganos
Em que se fina a democracia
Que vi nascer há mais de trinta anos…

Eu faço sem querer meu voto vário
E procuro fazer dum voto inerte
Uma diferença em luta desigual:

Mas voto consciente e ao contrário
A desejar que o meu voto acerte
Num governo que salve Portugal!

Almeir / Guimarães, 21-02-2005

PS >                                 

Eu queria chegar a ser Europa
Mas prevalece a estranha sensação

Que se o governo vai na mesma tropa
Serei um pária mais, um sem nação!

 
 
 
 
 
   
   

 

 

 


hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano