A. MEIRELES GRAÇA
Na raiva de viver…
Eu sinto da velhice a mão inerte
Já sem forças de mais uma ilusão
Nem outra mão igual que a minha aperte
Ou chama que me esquente o coração…

E teimo em caminhar neste deserto
Deixando o meu rasto sobre as dunas
Enquanto sonho ainda um mar incerto
Que povoo de velas e de escunas!

Neste viver, constante naufragar
Desafiando vagas alterosas
Vai a história brutal de minha vida…

Porém sem o saber teimo em nadar
E vou dando braçadas vigorosas
Na raiva de viver por mim sentida!

 
Almeir
Guimarães, 30.036.05
   
   

 

 

 


hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano