A. MEIRELES GRAÇA
Natal 2008

De Natal em Natal à minha mesa
Um pobre habitual e solidário…
Agora por meu mal nesta incerteza
Terei por comensal um milionário!

O pobre convidado era a meu gosto
E vinha à minha Ceia qual Rei Mago…
Agora vem um rico por imposto
E a crise que fez…sou eu que pago!

A Paz que vai sumida em tanta guerra
Na febre do dinheiro castrador
Já o Homem não poupa nem redime:

E tanto treme o planeta Terra
No medonho vulcão da própria dor
Que dar-lhe Salvador seria crime!

A.Meireles Graça, in su Tebaida de Creixomil
Com os melhores votos de Boas Festas e um possível 2009!
 
   
   

 

 

 


hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano