:::::::::::::::::::::LUÍS COSTA::::::::::::

SONHO ERÓTICO

Não sei o que se passa comigo, mas sonho contigo, noite após noite:

por entre as florestas dos meus desejos, tu abres a porta dos meus aposentos

e entras; leve como uma brisa marítima, entras.

Um véu de fina seda cobre-te a nudez. E eu adivinho os teus seios duros e

róseos como uma romã e o teu regaço quente como o fogo das minhas entranhas.

Ah como a pele se me inquina!

E os nossos olhos cruzam-se. E os teus olhos castanhos acendem

a minha noite; e todas as estrelas brilham por cima de nós. E a lua

cheia espreita-nos, pelo balcão.

Então, ofereço-te a minha mão, húmida de tanto desejo recalcado, húmida

de noites proibidas. Pois para os homens isto é um acto proibido. Mas para

os deuses, não! Os deuses compreendem-nos, pois este momento existe

para lá das pequenas brigas dos homens, para lá dos seus parcos dias.

Agora, vens até mim, e o teu véu cai; e todos os mistérios proibidos, todos

os tabus que durante anos e anos (terias quinze anos?) imaginei por baixo

das tuas jeans e das tuas belas blusas, descobrem-se.

Sim! Falo de desejos proibidos, pois isto que me leva a sonhar contigo talvez jamais

seja realizável. Mas este direito de sonhar, ninguém mo pode proibir.

Sim! Sonho contigo, e vejo como lanças a tua cabeça para trás num grito de luz,

e como os teus cabelos escuros e ondulados absorvem todo o luar, e como

o meu corpo se afunda no teu.

Ah como os teus gemidos me embriagam! Ah! como os nossos corpos se

movimentam, entregues no mar de Afrodite.

 
 
 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano