GERARD CALANDRE

VESTÍGIOS

Trad. Nicolau Saião

VESTÍGIOS - INDEX
ENVIO

A nova habitação da minha Avó

rodeada de laranjais

volta as costas à excessiva

luz

 

Enquanto isto dura

 

Sei que é letargia

ou desmerecimento. Pensando bem

a palavra, vamos a ver – não é assim? –

anos a fio

não pode revelar os sons

que ficam por detrás

da imagem que temos – por exemplo! –

duma torneira que pinga

 

Enquanto isto dura

 

Uma torneira – e isto é dizer pouco! –

fulge quente, granulada nesse meu sonho

grandes curvas pelos pinheiros

os olhos delirantes

- e valerá mesmo a pena guardar tudo

nos escaninhos da consciência?

E a minha memória que se esvai

 

Enquanto isto dura

 

Porra, farei zapping desnecessariamente

os lindos olhos da jovem como numa cerimónia

- e não será talvez a altura de ser bruto? –

Enquanto isto dura

 

A doce voz do serial-killer

Na sua virilha cresce um tremor solene

 

A barba, caro senhor, o susto da existência

alarga-se devagar, sustenta a nossa tremura

 

Enquanto isto dura

 

Naturalmente, enquanto isto dura

enquanto se prepara – meu rato poliglota! –

uma nova experiência do Amor

O ascensor que sobe como um lírio macerado

 

Seu magnífico filho da puta

 

Enquanto isto, isto dura

ternamente.

Gérard Calandre nasceu em 1952, na Bretanha, França. Viveu na Itália, leccionando na cidade de Messina. De formação científica, tem-se mantido afastado do mundo das Letras. Autor do livro Vestígios, traduzido por Nicolau Saião e de textos esparsos sobre o seu ramo profissional. Visitou Portugal em 1992 e 1997. Após o falecimento de sua mulher foi viver para o Canadá francófono.

Tem colaboração nas revistas “Diversos” – dir. José Carlos Marques, “Bicicleta” – orientada por Manuel Almeida e Sousa, “Agulha”(Brasil) – dir. Cláudio Willer & Floriano Martins, etc..

NS

 
 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano