EVERARDO NORÕES

ANTOLOGIA
Lavador de pratos

Sussurram,
na superfície da louça,
os duendes da faiança
e o piano de Satie.
Enxáguo
desejos inconfessos
e, entre talheres,
me despeço
da Gymnopédie.
Há sempre um ar de água
nas frases que me dizem
quando a manhã acaba.
E, no brilho dos pratos,
a mesma cor
da mágoa.

 

 

 


 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano