Procurar imagens
     
Procurar textos
 

 

 

 

 

 

 


 

 

Carlos Garcia de Castro


GAJO PORREIRO

Não me convinha, se morresse agora.

– Quem é que havia de levar o carro
para transportar para casa as nossas compras?

A dor chorada é sempre precisada,
nós não choramos só por nossa conta,
mas é por nossa conta que choramos.

– Quem é que havia de levar o carro
para transportar para casa as nossas compras?

Não me convinha, se morresse agora.

Faz sempre falta quem não faz mais nada
das frágeis miudezas e chatices,
pequenas nicas úteis dispensáveis
que ao dia-a-dia dão sustentação.
Faz sempre falta alguém assim em casa
que pouco faz mas sempre vai fazendo,
como num Quadro o seu caixilho à volta,
tão supletivo, secundário, inútil,
que o Quadro faz mais vista se o tiver.

As casas, nos seus móveis, corredores,
nos seus lugares à mesa, ajustamentos,
arrumações, cuidados, diligências
que até numa toalha são sinal
de bem dobrada para não dar trabalho,
trazem indícios do morrer de alguém
que de manhã ligava o esquentador,
nunca esquecia as chaves , e à noitinha
baixava as persianas das janelas.
Alguém assim faz falta quando morre,
porque não pode já deixar recados,
não vai de companhia fazer compras,
não vai levar nem já buscar amigos …
… e agora! que fazer àquele carro?
… quem vai agora já escolher os vinhos?
… quem é que tem mais ditos para as visitas?
… e o IRS, as contas, pagamentos?
 … quem vai à Caixa levantar dinheiro?
– tudo tão simples, de ansiedade e fluido,
mulher e filhos também são tarefas
de ir ao vidrão e lá deitar garrafas…
… fazer rascunhos e escrever à máquina
 … deitar lá fora o lixo, ir aos Correios.
Alguém do nada, só morrer faz falta.
A dor chorada é sempre precisada.
Ninguém faz nada, é sempre alguma coisa,
porque ao morrer, essencial canseira,
figura que já foi destes cuidados
persiste como um quadro de Pintura
ali deixado sem o seu caixilho.

Uma existência vale mais que as artes,
mesmo que o Quadro fique sem caixilho.

Para o mesmo Quadro façam mais molduras,
interessa mais o Quadro que o caixilho…

… mas não se esqueçam de levar o carro,
e é já para o ano, ao posto de Inspecção.

Alguém será capaz de o conduzir.

 

 

 

 



 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano