AURÉLIO PORTO

CINCO POEMAS NA ACRÓPOLE

INDEX
Parténon
Cariátides
Antiguidade Clássica
Material genético
Nações

Parténon

Pedras mortas que ciência imensa reconstitui,
reinventa e reconstrói
enquanto lá em baixo o lençol corrosivo se ergue
subindo a comer o mármore que o desafia.
Onde as pedras vivas que estas pedras ergueram?
Que diriam?
Nada dizem. Apenas estas pedras falam.
Mas é uma língua impenetrável.
O saber imenso das academias vai traduzindo,
e tu soletras.

in Sob o Céu Azul da Grécia, 1995, que integra a colectânea Flor de um Dia, no prelo

Aurélio Porto – Nasceu em 1945, em Cedofeita. Tradutor e professor do ensino secundário, até à recente aposentação. A sua obra poética, coligida sob o título de “Flor de um dia”, está em vias de publicação. Tem colaborado, desde o primeiro número, na “DiVersos – revista de poesia e tradução”. Reside no Porto.

 
 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano