Procurar textos
 
 

 

 

 







JOÃO FIGUEIREDO

"Retratos da Memória"

 

O Banco EFISA e a Galeria Micro-Arte Convidam para a inauguração da exposição de pintura de João Figueiredo - "Retratos da Memória" no próximo dia 17 de Maio, 3ª feira, entre as 19 e as 23 horas no Grémio Literário, Lisboa - Rua Ivens, 37 . 1200-226 . Lisboa (ao Chiado) . T. + 912 445 783 . arte@joaofigueiredo.com .

A exposição estará patente ao público até dia 25 de Maio, de Segunda-feira a Sexta-feira das 9h às 24h.

DISSECAÇÃO
em "Retratos da Memória"
 

O trabalho criativo é sempre uma tentativa de dar origens a emoções. Um efeito técnico, por si só, tem um valor relativo se não for portador de um conteúdo ou mensagem. As obras, quando ainda estão nas mãos dos criadores, são sempre segredos à espera de quem os desvende.

Tento fazer os meus trabalhos de uma maneira pensada e rigorosa. Estes apresentam um conjunto de formas que vão do plano à estrutura volumosa e saliente, com linhas e texturas várias procurando chamar a atenção do observador. Gostava que se deixasse levar no jogo dos elementos, que assimilasse contrastes ou harmonias nas formas e nas cores nem sempre com ligação.

É nas regras da Academia que sinto as bases... a força, a verdade, a realização do tudo possível. Entendo a Academia como a essência que necessita prementemente de ser adulterada e desmembrada. Daí utilizar reproduções fotográficas. Procurei através da natureza-morta dar-lhes uma nova imortalidade; ao dissecá-la no século XXI, subvertidamente recuperei-a. A criatividade aqui veste-se de atitude corrosiva e mascara-se de demónio usurpador de verdades e vontades, e altera a volumetria em dimensões duas. Os traços de construção são todas as expressões, palavras e actos que levam a essa desmistificação... A Academia, serve nesta obra como base por estar mais perto da perfeição, utilizada e violada pela destreza... sendo a academia referência dos trâmites do perfeito e do aceitável do avaliável e do respeitável.

A presença constante de obras minhas, no meu dia-a-dia, equivale a um sofrimento constante. E de tanto lhes dar e de tanto as ensinar a sentir, preciso que saiam da minha vida e por isso... gosto que sigam o caminho para as quais foram concebidas... As vidas dos outros. A sua.

João Figueiredo

nasceu em Lisboa em 1970, e desde cedo o seu gosto pelas artes plásticas se mostrou notório. No seu percurso académico estão incluídos vários anos dedicados ao estudo de História de Arte e um curso de cinema de animação, onde fez parte dos primeiros alunos do curso desenvolvido pela Fundação Calouste Gulbenkian. Apesar disso, enveredou pelo Design gráfico, área onde completou uma licenciatura em 1993, pelo IADE. Foi neste mesmo ano que apresentou os seus primeiros passos na pintura, o que aconteceu em Óbidos numa mostra colectiva de jovens pintores.

Só em 2000, e depois de um periodo de amadurecimento pessoal, apareceram as suas primeiras naturezas-mortas na exposição intitulada "Mortas por Natureza" patrocinada, então, pelo Banco Comercial Português.

Desde então, não deteve o crescente interesse pela natureza-morta, e a continuidade aconteceu em "Peras pectivas"  que se realizou em 2001 e onde conotou as suas obras como alegorias contadoras de estórias. Em 2003, e em parceria com o conceituado artista plástico Jacinto Luis, criou uma exposição à qual deu o nome de "Frutos Proibidos". Nesta mostra, a maturidade da natureza morta transbordou os limites e as personagens clássicas, acrescentando elementos novos como a representação do papel amachucado e do vidro, elementos então inexistentes na sua pintura.

Com esta exposição o autor passou a fazer parte não só de um crescente número de colecções privadas, bem como de colecções intitucionais.

Em 2004, este precurso é reconhecido com a atribuição do "Prémio Nadir Afonso 2004" por parte da Feira de Arte Contemporânea do Estoril a uma obra intitulada "Pecado por Descrever".

Depois de realizar algumas encomendas privadas e produzir várias obras que dificilmente se mantêm no seu atelier, João Figueiredo apresentou em Novembro de 2004, "Lilliput Chamber" com o alto patrocínio do Barclays Bank.

2005 - ano de viragem na sua obra.  Em "Retratos da Memória" invoca a Academia ao utilizar reproduções fotográficas de obras clássicas. "Procurei através da natureza-morta dar-lhes uma nova imortalidade; ao dissecá-las no século XXI, subvertidamente recuperei-as. "

João Figueiredo
Artista Plástico
Atelier:   Rua da Emenda 110, 1º -  1249-170 Lisboa   +351 917 250 543

e-mail:   arte@joaofigueiredo.com     
Links:
http://www.ArtWanted.com/JoaoFigueiredo  
http://www.paintergallery.com/

http://www.joaofigueiredo.com/
 

 

 

 


hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano