FAMÍLIA PASSOS . SÃO BRÁS DE ALPORTEL
VIRGÍLIO ARTUR RODRIGUES DE PASSOS
(1910-1968)

Professor, publicista, crítico de arte

Nasceu em S. Brás de Alportel, a 6 de Janeiro de 1910.

Faleceu em Cascais, a 24 de Maio de 1968.

 

Enquanto estudante do Liceu de Faro, organizou e foi redactor do jornal Mocidade, folha cultural dos estudantes algarvios.

Formou-se na Faculdade de Ciências de Lisboa em 1933, e fez Ciências Pedagógicas na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Matriculou-se, depois, no curso de Geografia da Faculdade de Ciências de Lisboa e na Escola Superior de Farmácia, não tendo terminado qualquer destes cursos.

Dedicou-se ao ensino e à crítica de arte. Foi professor no Liceu Passos Manuel e na Escola Industrial Afonso Domingues em Lisboa. Foi director e professor de um colégio em Odemira e fundou, em Lisboa, um colégio que passou a dirigir.

Realizou conferências sobre vários temas, dos quais referiremos: Evolução da Filosofia e da Arte na Grécia (1934) e a Origem da Pintura Moderna, em 1946, na Voz do Operário; em homenagem ao pedagogo e pintor Falcão Trigoso, muito ligado ao Algarve, proferiu uma conferência, na Sociedade Nacional de Belas Artes sob o tema: A Pintura de Falcão Trigoso e a poesia Algarvia.

Deixou colaboração dispersa em vários jornais e revistas: Correio do Sul, Diário do Alentejo, Almanaque Alentejano, Almanaque Algarvio, Diário de Lisboa e República, onde dirigiu uma página bi-semanal à qual chamou «Cultura para todos», que abordava os mais variados temas de forma simples, procurando chegar às diversas camadas sociais a que pertenciam os leitores do jornal. Dirigiu depois, no mesmo periódico, a secção «Comentários».

Em O Século publicou o conto «O Ajuda», e em O Diabo, «O Artista Grego e o sentido do Plágio». No jornal Sol fez crítica de arte de 1947. no Almanaque do Algarve, de 1947, publicou A Arte e a Vida.

Foi um dos principais dinamizadores da Casa do Algarve, onde organizou uma exposição bibliográfica e de Artes Plásticas e também um dos mais dedicados promotores e o autor do projecto do jazigo-monumento erigido, em S. Brás de Alportel, à memória de seu tio, o poeta Bernardo de Passos.

Publicou A Projecção do Infante no Mundo (1960), O Lirismo em Bernardo de Passos, com prefácio de Júlio Dantas, Escultura Grega e, com o pseudónimo de «Vítor de Melo», Rosalina de Passos – uma grande escultora algarvia.

No Círculo Cultural do Algarve, em Faro, expôs escultura na 1.ª Exposição de Artistas Algarvios, em 1943. Seu irmão Ângelo também se fez representar com escultura. A mãe de ambos, Rosalina de Passos, a mais brilhante escultora algarvia do século XX, esteve igualmente representada no certame.

PUBLICAÇÕES

PASSOS, Virgílio Artur Rodrigues de - O lirismo em Bernardo de Passos. Lisboa, Sá da Costa, 1954.

PASSOS, Virgílio Artur Rodrigues de - A projecção do Infante no mundo. Lisboa, Portugália, 1960.

PASSOS, Virgílio Artur Rodrigues de - A arte Manuelina. Lisboa, Centro de Estudos Ultramarinos, 1968.

 

In: «Quem foi quem?: 200 Algarvios do Século XX/ Glória Maria Marreiros.- Lisboa: Edições Colibri, 2000; p. 387-388»

 

 

 
 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano