Procurar textos
 
 

 

 

 







 

A NOITE É DOS PÁSSAROS,
DE NICODEMOS SENA
Dirce Lorimier Fernandes
.
O Globo, Rio de Janeiro, Maio de 2004
.
A NOITE É DOS PÁSSAROS
Nicodemos Sena
Editora Cejup, 136 páginas
.

Depois de estrear em 1999 com "A espera do nunca mais", uma saga amazônica de 876 páginas, prêmio Lima Barreto - Brasil 500 Anos da UBE/RJ, o paraense Nicodemos Sena reaparece com "A noite é dos pássaros", seu segundo romance, uma dessas obras capazes de transitar entre os vários mundos a que pertence o homem.

De forma eloqüente, traz para o presente o diálogo entre a História e a Literatura dos séculos de desbravamento do Brasil. Recriando e desfazendo mitos existentes a respeito da relação entre o europeu e o elemento nativo, faz da narrativa uma boa maneira de atualização de conceitos, ou, pelo menos, reorganiza o objeto de observação a partir de um outro ponto de vista, que tem a responsabilidade em preservar um panorama distinto, que agora se constitui em romance.

"A noite é dos pássaros" traz uma homenagem a Alexandre Rodrigues Ferreira, que, embora tenha nascido na Bahia em 1756, é, a bem dizer, português, pois, com apenas 14 anos, partiu para Portugal, só retornando ao Brasil em 1783, como naturalista formado na Academia de Coimbra. No Grão-Pará (hoje Amazônia, onde nasceu Nicodemos Sena) e Mato Grosso, Alexandre Rodrigues Ferreira pesquisou, durante dez anos, as nossas riquezas naturais, do que resultou a sua "Viagem Filosófica".

Na obra de Nicodemos, o cientista aparece sob o codinome de "Alexandre Rodrigo Ferreira", aprisionado na foz do rio Amazonas pelos índios tupinambás, canibais que têm uma certa predileção em alimentar-se de portugueses, considerados inimigos de seu povo.

No cativeiro, Alexandre encontra um livro, que veio parar na aldeia após um naufrágio. A obra encontrada narra a história de Hans Staden, um alemão que também fora prisioneiro dos índios tupinambás em uma aldeia de Ubatuba, litoral de São Paulo, no século XVI. Trata-se de uma história real, da qual o autor retirou alguns elementos e boa parte do roteiro do romance, sem prejuízo para a ficção, cuja originalidade está no "como" a história é convertida em história, e não no "quando" ou no "onde" transcorre a ação.

Publicado primeiramente no jornal "O Estado do Tapajós", "A noite é dos pássaros" tem os principais ingredientes do folhetim - suspense contínuo; enredos que se imbricam gradualmente, numa intencional mistura de tempo e espaço, etc. Entretanto, o romance é mais do que a simples história de amor entre a índia Potira e o naturalista. Questões como o choque entre culturas e a combinação veracidade & ficcionalidade são abordadas. Nota-se a intensa pesquisa. Informações, idéias e costumes do século XVIII permeiam a ficção, numa refinada e complexa rede de referências, sem retirar-lhe a leveza. A utilização da língua tupi nos diálogos dá um sabor especial ao texto e permite ao leitor "vivenciar" o momento histórico.

"A noite é dos pássaros" valoriza a cultura indígena e dialoga com outras obras de escritores brasileiros. Como o herói de "I-Juca-Pirama", Alexandre Rodrigo Ferreira será devorado em ritual antropofágico, porém, admite, perante o algoz, que não é um guerreiro e não se envergonha de demonstrar medo da morte.

Como no "Macunaíma", Nicodemos retoma lendas indígenas, misturando o real e a fantasia. Parte dos "fatos", mas a estes não se prende, já que tem uma visão muito particular das coisas. Sem perder o pulso da narrativa, deixa que seus "pássaros" voem com a imaginação.

Infelicitado pela morte iminente e anunciada, o narrador de "A noite é dos pássaros" busca nos sonhos um sentido para a vida, recupera o sentido original da cultura indígena, criando marcantes personagens, como a apaixonada Potira, que acompanha Alexandre durante toda a trama. E recria alguns mitos, como o de Sumé, o "cariua catu" (branco bom, em tupi), que alguns crêem ser a própria figura de São Tomé entre os índios. Enquanto no livro de Hans Staden ("Duas viagens ao Brasil") o homem branco e o Deus que o governa são os elementos principais, no romance de Nicodemos Sena o índio é valorizado.

Por tais nuanças, que revelam o vigoroso estilo e intensidade do autor paraense, "A noite é dos pássaros" merece um lugar de destaque. É uma obra fascinante, na qual o escritor transpõe as barreiras impostas pela mediocridade e voa em todas as direções, sonhando, deixando-se levar pelas asas de seu rico imaginário, entregando-se aos espíritos que habitam a natureza, lá onde está a sabedoria, o medo lutando contra a valentia, a metáfora da vida e da morte.

.
 

DIRCE LORIMIER FERNANDES é doutora em História da Cultura, pela USP, crítica literária, autora de "A Literatura infantil" (Loyola, 2003).

   
   

 

 

 


hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano