TERESA FERRER PASSOS
MEMÓRIA DE SOFRIMENTO
Vibram ainda no nosso coração os débeis e enrouquecidos sons da voz suave e cheia de afabilidade do Papa João Paulo II, Mestre da palavra que semeia e do acto que a torna fértil. No dia 2 de Abril de 2005, deixou de nos acompanhar essa grande figura do mundo dos vivos. E todos perdemos, de certa maneira, a figura da comunicação social planetária que tanto se assemelhava a uma referência paterna, pelo afecto que sabia transmitir a todos aqueles que o seu olhar tocava.

Ao longo de oitenta e quatro anos, foi o Homem que esteve sempre pronto para defrontar o trabalho, quer fosse o árduo trabalho nas minas, quer o irreverente e actuante teatro, quer a obscura pedagogia da Ética na universidade ou o honroso cargo de bispo de Cracóvia.

Recebeu sempre aquilo que lhe ofereciam, como se o gosto de servir fosse um fogo intenso a abrasá-lo.

Cada actividade parecia-lhe uma escolha dessa Providência que o encaminhava num silêncio invocador ou numa intervenção apagada, para deixar soltar a luz da sua vontade férrea.

Ao participar no Conclave, após a morte do Papa João Paulo I, Carol Wojtyla, agora já cardeal de Cracóvia diria, em tom amistoso, a um repórter fotográfico da revista Time: «a mim não, não vale a pena!».

Ele vinha da Polónia - um país mártir que vivera o pesadelo das armas nazis, que continuava a viver o do comunismo, essa pátria que era um símbolo de sofrimento e de contradição política, essa pátria em que havia um ambiente de rejeição a tudo o que tivesse a marca do religioso - , não era minimamente provável que a escolha recaísse nele... Assim pensava Carol Wojtyla, que vivera uma infância cortada pela crueza da morte da mãe aos nove anos, do irmão aos catorze e do pai aos vinte e um.

Nesses trágicos anos, a consciência de que a vida é um mistério indecifrável crescera. Então, achava que havia de encontrar alguma explicação para tanta adversidade, tanta impiedade, tanto sofrimento. Que sentidos a encontrar na vida humana? Que caminhos inóspitos e desconhecidos a crivavam de assombrosos males? A sua família, uma família feliz, desmoronara-se em poucos anos, como se algo tivesse de acontecer, como se ele devesse estar preparado para o imprevisto, como se uma direcção estivesse a ser dada aos seus passos, ainda tão inseguros.

A consciência dessa realidade levou-o ao estudo da filosofia, especialmente ao estudo de uma das suas áreas: a Ética. Fará o Doutoramento em Ética para compreender o Homem e em Teologia, para continuar a interrogar Deus.

Entre a Ética e a Teologia, sabe observar as montanhas cobertas de gelo, escuta o vento brando na Primavera e deixa-se fustigar pelos seus uivos nos dias de tempestade.

Caminha, quase sem perceber que o sentido da cruz ensinado pela mãe ausente, e sempre viva na sua memória, crescia na sua alma. Uma cruz, à beira de a receber da própria Providência e numa hora inesperada.

Contra todas as expectativas, é aclamado Papa. Cognomina-se João Paulo II. E, mais uma vez, está pronto a exercer a tarefa mais difícil da sua vida: servir esse Deus, feito Cristo Crucificado, esse Deus, sinal de contradição.

Estava preparado pelo estudo para conhecer a verdadeira dimensão e o significado da vida humana, das suas vicissitudes e dos seus condicionalismos. A vida mostrara ao menino acarinhado e cheio de ternura, que tudo alcança maior sentido se o sofrimento se fizer sentir. O sofrimento. Ele conhece o seu sentido como poucos.

Já eleito Papa, não quer abandonar os seus diálogos com a natureza e com os jovens, talvez a recordar os seus alunos da universidade. Subia às altas montanhas com eles e com eles praticava desportos. Sente agora de modo mais significante a força que eles lhe tinham oferecido. Que ensinamentos recebera desses convívios! E não queria perder essa fonte de vida, aventura e coragem! Privilegia o contacto directo com as multidões. Mas dirige-se especialmente aos jovens de todos os lugares do mundo que visita. E a sua alma aquece pela alegria que transmitem!

Agora, pode ganhar um sentido outro e bem maior, mais fundo, mais autêntico. A Pastoral da Cruz do Cristo a sangrar de dor difunde-a por todos os continentes da Terra. Com que ardor leva esse Cristo tombado na cruz e, ao mesmo tempo, de braços abertos para a humanidade, esse Cristo indiferente aos pregos que a essa mesma cruz o prendem. Esse Cristo que na sua agonia de fim, ainda escolhe uma Mãe para todos, a Sua própria Mãe!

A ocupar o lugar de Jesus Cristo a partir da cidade de Roma, João Paulo II quer, acima de tudo, seguir uma ética do testemunho, presente em S. Pedro, e uma ética da divulgação da mensagem até aos confins do mundo, presente no caso de S. Paulo.

É preciso transmitir a toda a gente a Boa Nova: Jesus Cristo é o Salvador e quem é fiel às Suas Palavras, quem acredita n’Ele, Viverá! Dizer isto por todos os países do mundo, eis o seu projecto! Em cada lugar, junto de cada pessoa, João Paulo II usou a tecnologia mais moderna para difundir a Palavra que Cristo ensinara.

Mas, para além da ética de Pedro ou de Paulo, a ética da perseverança é o lema de Carol Wojtyla. Perante os obstáculos, é preciso levar a Esperança aos desesperados, a Piedade àqueles que erram, a Justiça até aos humilhados!

Indiferente aos perigos constantes defrontados nas suas viagens missionárias, não abdica da luta, nunca abdicará. Deus entregara-lhe o Caminho mais exigente e também o mais alto!

Evangelizar, mesmo que o caminho esteja coberto de espinhos e sangue e suplício, impõe-se-lhe. Vítima de dois atentados quase fatais, escapa ileso de muitos outros preparados pelos seus adversários. Mas, não fora uma Cruz que Jesus transportara, Ele, o próprio Filho de Deus? E Paulo, um dos seus perseguidores maiores, não se fizera o seu maior defensor e não sofrera os insultos, as prisões e a tortura em nome d’ Aquele que antes perseguira?

Nunca houvera um Papa de nacionalidade polaca e ele era um polaco. Imprevistamente, acontecera! Os riscos que corria faziam perigar, em cada viagem, a sua integridade física, mas desistir era atraiçoar a ética que perfilhava. Por isso, só podia ser um Papa sem medo, peregrinando pelo vasto mundo, incansável, arrojado até ao limite das suas forças.

Entre os atentados e a doença degenerativa que o atinge, prossegue o rumo traçado. Continua a peregrinar pelo mundo. Já sem força nas pernas para andar, já com a voz a falhar pela falta dos debilitados músculos, não abandona a ética da perseverança.

E dá testemunho da força do espírito que o guia, mesmo acossado pelas doenças que o debilitam. O exemplo do sacrifício fala mais que mil palavras. O sofrimento não o derruba.

Persevera com a paciência daqueles que confiam e, por isso, não recuam. Aconselham-no a desistir das viagens e do trabalho a que era obrigado. Resiste. Ainda não soara a hora da missão impossível.

Com a figura distorcida e flácida, com os membros enrolados sobre si próprios, com o olhar encovando-se de dor, com a boca a afilar-se num sibilar de palavras, o seu Evangelho toma uma nova forma de expressão. E deixa toda a gente abismada com essa coragem nunca vista. Gente com chagas de injustiça ou gente com coroas de poder, olham-no com arrepios de espanto. Perseverar, mesmo sob o peso de tanta dor, não é uma visão comum. E a sua dor surge agora como uma exaltação do humano, não como uma perda da dignidade.

Quando considerar-se exausto e desistir da missão?! Em breve, terá de parar, dizem muitos. Não pode ser, sofre demais, dizem quase todos. Ele ouve-os no seu coração despedaçado de fraqueza. O coração fraco a resistir e, ao mesmo tempo, a apontar-lhe a defesa da vida até ao último sopro. João Paulo II segue o coração e não escuta os conselhos humanos.

Quando deve suspender as suas funções? Não sabe, não sabe, mas há uma réstia de força que o impulsiona ainda. Quer enviar uma «Palavra» ao mundo. É Domingo de Páscoa. Esteve, após a cirurgia, a treinar a voz, que doía, doía demais. Vai ser capaz! Tenta, tem de tentar. Todos aqueles que estão na Praça de S. Pedro, esperam ouvi-lo. Ouvi-lo mais uma vez. Carol Wojtyla não quer desapontá-los. Os jovens, especialmente, esperam a palavra sempre destemida, mesmo que seja quase inaudível. À janela, frente à Praça de S. Pedro apinhada de fiéis, como era costume em todos os domingos de Páscoa, João Paulo II pede o microfone. Tenta sussurrar uma prece ou uma súplica ou um louvor, quem poderá sabê-lo? Depois, tenta de novo. Mas a voz perde-se dentro de si. Sufoca com o ar livre.

Pela primeira vez na sua vida, está frente ao impossível. Tudo está consumado. Mas ainda sente a força de uma vontade inabalável. «Pai, porque me abandonaste?», terá perguntado, como Jesus. De súbito, João Paulo II sabe que já «muito lhe tinha sido exigido», precisamente porque «Deus muito lhe dera». Cai a cortina do quarto como um pano no teatro, esse teatro que, na juventude, tanto o entusiasmava. A peça em que ele representara o papel principal e de que era também, em parte, autor, findara.

Poucos dias depois, ante o seu cadáver, a multidão, com o rosto coberto de lágrimas, diria: «Santo, súbito!».

Teresa Ferrer Passos

 
APÊNDICE DOCUMENTAL (1)
I - Homília em Fátima de João Paulo II
(13 de Maio de 1982):

«E a partir daquele momento, o discípulo recebeu-A em sua casa» (Jo.19,27)

(…) «Recebeu-A em sua casa» – esta frase significa, literalmente, na sua habitação.

Uma manifestação particular da maternidade de Maria em relação aos homens são os lugares em que Ela se encontra com eles; as casas onde Ela habita; casas onde se sente uma presença toda particular da Mãe.

Estes lugares e estas casas são numerosíssimos. E são de uma grande variedade: desde os oratórios nas habitações e dos nichos aos longos das estradas, onde sobressai luminosa a imagem da Santa Mãe de Deus, até às capelas e às igrejas construídas em Sua honra. Há, porém, alguns lugares, nos quais os homens sentem particularmente viva a presença da Mãe. Não raro, estes locais irradiam amplamente a sua luz e atraem a si a gente de longe. O seu círculo de irradiação pode estender-se ao âmbito de uma diocese, a uma nação inteira, por vezes a vários países e até aos diversos continentes. Estes lugares são os santuários marianos.

Em todos estes lugares realiza-se de maneira admirável aquele testamento singular do Senhor Crucificado: aí, o homem sente-se entregue e confiado a Maria e vem para estar com Ela, como se está com a própria Mãe. Abre-Lhe o seu coração e fala-Lhe de tudo: «recebe-A em sua casa», dentro de todos os seus problemas, por vezes difíceis. Problemas próprios e de outrem. Problemas das famílias, das sociedades, das nações, da humanidade inteira.

(…) A partir daquele momento em que Jesus, ao morrer na Cruz, disse a João – «Eis a tua Mãe», e a partir do momento em que o discípulo «A recebeu em sua casa», o mistério da maternidade espiritual de Maria teve a sua realização na história com uma amplitude sem limites. (…)

 

II - Mensagem de João Paulo II na Universidade de Coimbra
(15 de Maio de 1982)

 

(…) A cultura é do homem. No passado, quando se pretendia definir o homem, quase sempre se fazia referência à razão ou à liberdade ou à linguagem. Os recentes progressos da antropologia cultural e filosófica mostram que se pode obter uma definição não menos precisa da realidade humana referindo-se à cultura. Esta caracteriza o homem e distingue-o dos outros seres não menos claramente que a razão, a liberdade e a linguagem.

(…) A cultura vem do homem. Este recebe gratuitamente da natureza um conjunto de capacidades, de talentos, como lhes chama o Evangelho, e, com a sua inteligência, a sua vontade e o seu trabalho, compete-lhe desenvolvê-los e fazê-los frutificar. O cultivo dos próprios talentos, tanto da parte do indivíduo como da parte do grupo social, com o fim de se aperfeiçoar a si próprio e de dominar a natureza, constrói a cultura. Assim, ao cultivar a terra, o homem actua [põe em acção] o plano criador de Deus; ao cultivar as ciências e as artes, trabalha para a elevação da família humana e para chegar à contemplação de Deus.

A cultura é para o homem. Este não é somente o artífice da cultura, mas também o seu principal destinatário. Nas duas acepções fundamentais de formação do indivíduo e, de forma espiritual, da sociedade, a cultura tem em vista a realização da pessoa com todas as suas dimensões, com todas as suas capacidades. O objectivo primário da cultura é o de desenvolver o homem enquanto homem, o homem enquanto pessoa, ou seja, cada homem enquanto exemplar único e irrepetível da família humana.

(…) «Abri ao poder salvador de Cristo… os vastos campos da cultura, da civilização, do progresso. Não tenhais medo. Permiti a Cristo falar ao homem» (2), também em Portugal, para o qual, por vós, desejo as melhores felicidades.

 

III - Saudação do Arcebispo Primaz de Braga a João Paulo II
(no Santuário do Sameiro em 15 de Maio de 1982):

 

(…) Sentimo-nos vivamente emocionados por se haver dignado Vossa Santidade vir até nós.

Da multissecular Arquidiocese de Braga, com sede na vetusta capital da Província romana da Galaecia, saíram vários Bispos para as honras dos altares: S. Martinho de Dume, no século VI; S. Frutuoso, no seguinte; S. Geraldo, na Reconquista cristã. (…)

A partir do século XI, ultrapassadas as vicissitudes causadas pela ocupação, ou incursões dos muçulmanos, Braga retoma toda a sua vitalidade de Igreja metropolitana e primacial. Da sua enorme área foram-se constituindo, por desmembramento, as Dioceses de Miranda e Bragança, Vila Real e Viana do Castelo.

No seu conjunto, a Arquidiocese bracarense, com quase um milhão de habitantes, é entre as Dioceses portuguesas a que se conserva mais fiel às tradições e com um índice de prática religiosa mais elevado. (…)

 

(1) Discursos do Papa João Paulo II em Portugal, Edição da Conferência Episcopal Portuguesa, Lisboa, 1982, pp. 67, 68, 69, 163, 168, 169, 228, 229.

(2) Passagem da alocução feita por João Paulo II imediatamente após a eleição para o Sumo Pontificado em 17 de Outubro de 1978.

 
 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano