Procurar imagens
     
Procurar textos
 

 

 

 

 


 

 

TERESA FERRER PASSOS
CARLOS CARRANCA : VINTE ANOS DE POESIA*
«De la musique avant toute chose»
Verlaine

A poesia é Neste Lugar sem Portas − título da colectânea dos livros de poesia de Carlos Carranca, escritos nos últimos vinte anos, publicados pela editora Hugin − um lugar bem definido. É um espaço de papel em branco e é um vazio preenchido. É uma abertura para algo de secreto e também de demasiado concreto. É uma porta a abrir o caminho para outros lugares, como se não saísse do mesmo lugar, sendo este já outro lugar.

É um espaço novo a criar o espaço da liberdade. A liberdade, o espaço sem portas privilegiado pelo corpo poético. A liberdade, a inscrever-se num lugar imenso, sem portas e com uma porta aberta para o ser do poeta. O ser a libertar-se das portas e dos lugares da Imagem (1981), da Ressurreição (1992), da Serenata Nuclear (1994), das Pedras Suspensas (1996), do Homo Viator (1997) ou da Íntima Idade (2001). O ser a fazer eclodir a voz, a voz humana (assim chamava o poeta Jean Cocteau a um dos seus mais belos dramas), essa voz cheia de um som melodioso, musical, com uma música secreta, oculta música, música de origem pronta a maravilhar os instantes inesperados, os instantes da emoção já incontida e a saltar, juntando frases, palavras, sílabas, vogais e consoantes num novo e irreconhecível lugar.

É um pouco assim que nasce a poesia, que nasceu a poesia de Carlos Carranca. Uma poética de palavras musicais, melódicas, originárias e inovadoras, sintéticas e a analisar os mais imprevistos sentimentos, a dor e a alegria, a felicidade e desventura, o bem e o mal. Dos mundos subterrânicos do poeta emergem as fontes que alimentam as palavras a ecoar na voz humana. Esses mundos povoados de fantásticas figuras, de memórias mágicas, de feitiços portadores da felicidade e de bons deuses a favorecer os fiéis adoradores, mesmo de simples ídolos.

A poesia é o ofício Maior de Carlos Carranca. E porquê? Porque é, ao cultivá-la, que Carlos Carranca transmite o seu mundo, transmite-se no seu mundo ao mundo que o cerca. A esse mundo sobre que se debruça e que, ao mesmo tempo, está imerso nele e/ou nele se identifica. Esse mundo que o ultrapassa e que Carlos Caranca faz recuar à infância, às figuras lapidares da mãe, do pai, ou seja, da recôndita e indecifrável.

Neste Lugar sem Portas aparecem expressões bem enunciativas do sentido do discurso poético de Carlos Carranca: «Sinto a força da poesia / no calor rústico dos montes»(p.11); «E onde tudo é arte, / é o pão que se reparte / e a poesia»(p.51): «O poeta / é o pássaro / de asas misteriosas // Voa / a inundar / a noite» (p.90); «Tento enumerar a Vida em cada verso» (p.109). Reparemos que, desde o primeiro livro, Imagem, aqui inserido, neste acervo em boa hora oferecido aos portugueses, até ao último, Íntima Idade (2001), o poeta faz-nos disfrutar de uma poesia em que não está presente essa musicalidade encantatória que tantos poetas hoje publicados (e largamente divulgados pelos mais conceituados meios de comunicação social, em que destacamos jornais diários e algumas revistas de literatura) não alcançam. Nesses poetas falta a música, a melodia, o ritmo, a emoção e a invenção, numa conjugação propícia e mesmo indispensável a produzir a arte a que ainda se chama poesia. É que se não obedecer a estas marcas, a poesia já não o é. A poesia não é uma amálgama de palavras desgarradas, desordenadas, afinal adicionadas, ao ritmo da consciência, porque as palavras devem erguer-se ao ritmo da musicalidade da voz da consciência.

Vemos hoje eclodir em numerosas publicações aquilo a que poderíamos chamar uma simulação da poesia como género literário definido desde o grande poema de Homero.

De facto, adulterando as suas leis por muito flexíveis que elas sejam, modificando a sua forma por muito inovação que se lhe coloque, desconstruindo a sua metodologia essencial por muitas novas e indiscutivelmente belas metodologias que se lhe imprimam, pode-se criar um novo género literário, mas não se deve considerá-lo poesia. Se a poesia deve não perder toda uma dinâmica criativa, recriando-se e regenerando-se, enriquecendo-se no verbo ou discurso da palavra, igualmente não deve falsear a sua identidade prórpia. Como escreveu Octavio Paz, poeta que recebeu o Prémio Nobel da Literatura, «a frase poética es tiempo vivo, concreto: és ritmo, tiempo original, perpetuamente recreándose. Continuo renacer de nuevo»(in El Arco y la Lira, 1956, p.67), não bastam palavras sobrepondo-se, não bastam palavras em catadupa, não bastam palavras simulando a palavra. É precisa a palavra a escrever-se em novas palavras, em novas simbólicas, em novas magias, mas sempre no canto das palavras a serem a música de cada palavra.

Ora a poética de Carlos Carranca está perfeitamente imbuída dessa condição fundamental e/ou fundamentante de toda a verdadeira poesia. Como exemplo lembremos o poema «Guitarra Universal»: «Guitarra, meu bordão de peregrino!… / Ouve-se o destino / em tua voz misteriosa, / sempre ausente… // Guitarra − vidente, / Rosa a rosa / desfolhada no presente / pétala a pétala. // Senhora de Portugal! // Guitarra − nossa − condição. / Guitarra − povo. / Guitarra universal!» (Ob.cit., p.64).

E do poema pleno de música surge o poema ao instrumento musical que o povo português toca com dedos de cristal: a «Guitarra Lusitana» (p.65). Entre a poesia da música e a musicalidade da poesia está toda a voz de Carlos Carranca neste Lugar sem Portas.


 
* Apresentação da antologia de poesia Neste Lugar sem Portas de Carlos Carranca, feita pela autora no Teatro Mirita Casimiro em Monte Estoril, a 18 de Junho de 2002.
 
 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano