TERESA FERRER PASSOS

AS PALHINHAS E O MENINO JESUS
(Peça de Teatro Infantil Inédita)

(Os pastores discutem entre si onde se havia de deitar o menino, acabado de nascer. Um deles olha a manjedoira. Mostra-a à mãe. Ela acena afirmativa, toda iluminada de alegria. É Mateus quem o deita. Cobre-o com as palhinhas finas. O menino acomodado, de olhos cerrados, sente cada uma delas em todo o seu corpinho). 

 

O MENINO − Oh suaves palhinhas… umas tão macias, outras tão quentinhas… com certeza o frio cobriu-se também com elas… e eu, como me enrosco em cada uma de vocês, depois de sair da esférica morada de minha mãe!  

 

(As palhinhas elevam-se devagar, com espanto. Como pode o menino, acabado de nascer, falar com elas? E logo decidem também falar-lhe, como fizera o menino, até antes de falar com a própria mãe.)  

 

PALHA OURO-VELHO Que honra falar com alguém tão pequenino e de tão alta estirpe, provindo de gente sábia e bela…como tu, menino acabado de nascer!

 

MENINO − Que palavras lindas estou a ouvir de uma tão frágil palhinha. Como gosto do teu grande esforço para me falares!

 

PALHA MAIS-DESFIADA (dirigindo-se ao menino) − És um menino acabado de nascer e já queres conhecer-nos, como se fossemos como tu és, um humano, esses humanos que possuem poderes que não entendemos…

 

PALHA OURO-VELHO (num esforço mil vezes maior do que o seu tamanho para que fosse ouvida) − Nunca escutei nada de semelhante da vaca ou do burro, que dos nossos filamentos se vêm alimentar todos os dias!

 

PALHA MAIS-DESFIADA − Os animais não sabem falar com o coração como o menino aqui deitado e, afinal, também não nos ligam nenhuma importância…

 

PALHA MANSINHA-DEMAIS (com tristeza) − Acham que nada valemos, que de nada importante somos capazes.

 

PALHA OURO-VELHO − Não saberão que até existimos para eles não morrerem de fome?!

 

PALHA MAIS-DESFIADA − Será que nem disso se apercebem? o que somos, é igual a nada entre os seus dentes, dentes que nem o sabor nos tomam, na sua voracidade… 

 

 (Nesse instante, a palhinha Toda-Alongada sentiu a mãozinha do menino a puxá-la para os olhinhos semi-cerrados. E num impulso inesperado, estendeu-se neles como se nada pesasse). 

 

O MENINO −  Como é bom o teu auxílio, Palha Toda-Alongada! sou ainda desajeitado nestas coisas da matéria. Pegar, tocar, sentir… que difícil é tudo isto do mundo das coisas, sobretudo das coisas mais pequenas como é o vosso aconchego…

 

PALHA TODA-ALONGADA − Nada te fiz de importante e que não merecesses!

 

PALHA MAIS-DESFIADA − Nada será demais para com este menino que nos dirigiu a palavra pela primeira vez desde que existimos, nós que apenas somos pobres fios de palha.

 

PALHA OURO-VELHO − A verdade é que somos simples demais para falar com um menino de humana natureza…

 

O MENINO (sem o mais ínfimo ruído) − Não sou só de natureza humana, mas também de divina natureza…

 

PALHA MAIS-DESFIADA (olhando, circunspecta, o menino) − Ah! não só humana mas também de divina natureza?!

 

PALHA TODA-ALONGADA − Como isso é estranho! tens um corpinho humano e, ao mesmo tempo, de divina natureza?! como pode ser?

 

PALHA OURO-VELHO (olhando o menino, de soslaio) − Minhas irmãs, duvidam daquele que, pela primeira vez desde que existimos, pôs em nós confiança?! talvez por ele ter essa altíssima natureza, quisesse logo falar connosco, o que nem os rudes animais que se alimentam de nós, querem!

 

O MENINO (cerrando mais os olhos) − Que nervosismo, mesmo agitação, estão a viver as palhinhas só porque ouviram no seu coração as minhas palavras, as minhas palavras que só podem ser escutadas por aqueles que são capazes de falar e ouvir com o coração!

 

PALHA TODA-ALONGADA − Ouvi-te de novo! agora percebo porque te escutamos! É que tu falas só com o teu coração… e como o teu coração ainda tão pequenino, acabado de nascer, transmite tanto amor e, logo por nós, as tuas companheiras e primeiras testemunhas no mundo, nós, digo eu, umas simples palhinhas de manjedoira, num apagado estábulo de uma hospedaria de Belém!

 

PALHA OURO-VELHO − Estou a viver, por todo o meu filamento, um sentimento que nunca imaginei, o sentimento da paz comigo própria… que força espantosa transborda do teu coração, meu pequenino, a entrar por nós adentro como um raio de trovoada, a cair na estrebaria e a incendiá-la toda!

 

PALHA MANSINHA-DEMAIS − Sinto-me uma palha ardente de amor por este menino! com um coração cheio de amor por nós… por nós, ressequidas ervas de tão ténue valor…

 

PALHA MAIS-DESFIADA − Ah, minhas irmãs, atenção! ele não é só humano; como disse, é também divino!

 

PALHA TODA-ALONGADA − Eu serei sempre sua testemunha fiel porque sendo o menino de natureza divina, aquela que está mais alto, nos valorizou; e como sabem nenhum humano tem tido a humildade suficiente para nos dar qualquer valor!

 

(Ao ouvir estas palavras, o menino começa a esboçar um riso que acaba por se confundir com um choro quase inaudível. Entreabre, muito ao de leve, os olhos. O pastor Mateus, de joelhos, olha-o, atento, a cada instante. A mãe, a pequena distância, adormecera de cansaço)

 

PALHA OURO-VELHO (com entoação desgostosa) ─ O menino silenciou o seu coração connosco… não terá gostado de alguma das nossas palavras?!

 

PALHA MANSINHA-DEMAIS ─ Acho que nada dissemos que lhe pudesse desagradar… eu duvidei, sim, um pouco, mas comecei a acreditar nessa sua natureza divina, precisamente porque ele, acabado de nascer, e pertencendo ao distante divino, logo quis falar-nos!

 

 PALHA MAIS-DESFIADA − A nós, em primeiro lugar, talvez por sermos as mais desprezadas ervas da criação, os homens nos arrancam da terra onde vivíamos e nos deixam morrer pela segunda vez debaixo do sol ardente para depois ainda voltarmos a morrer pela terceira vez entre os dentes dos carneiros felpudos a berrar, dos burros a sacudir as moscas e das vacas indiferentes ao seu doce leite. 

 

PALHA OURO-VELHO − Logo emendaste o erro da tua dúvida, mas não sabes se o magoaste com a tua reserva quanto a ser ele também divino.

 

PALHA MUITO-ALONGADA − Eu também tive dúvidas acerca da sua natureza divina; mas que saudade já tenho do seu coração pronto a envolver-nos em estatuto maior, bem maior do que aquele que até agora nos foi dado…

 

PALHA MAIS-DESFIADA −  Seja qual for a razão do seu silêncio connosco, também já tenho saudade desses primeiros esgares de amor para cada uma de nós, tão pobres de espírito e indignas da sua atenção, mesmo que ele fosse apenas de natureza humana...

 

PALHA TODA-ALONGADA − Todo ele era sorriso cheio de afecto pela nossa presença junto dele, sem ligar à nossa baixa condição de palhinhas…achou-nos tão apagadas neste mundo que nos quis compensar, e como nos compensou de verdade!

 

PALHA MANSINHA-DEMAIS (com ar assustado) − …falando connosco elevou-nos até ao sagrado, à divina natureza! lembrar-me eu dos pastores pretensiosos, que nem sequer nos olham ao encherem com os nossos finíssimos corpos a manjedoira, todas as manhãs!

 

PALHA OURO-VELHO − E os não menos indiferentes animais que não se preocupam com o nosso fim nas suas barrigas, nem sequer por nos verem tão frágeis e sempre ao dispor dos seus desejos…

 

O MENINO (ficando sério, de súbito) − Não estou ofendido, não…sei que nunca vos deram afecto porque o valor de uma palhinha parece aos olhos do mundo muito insignificante…

 

(o menino afastou a palhinha Toda-Alongada dos seus olhinhos, já a tentarem romper a luz amena da manhã)

 

PALHA TODA-ALONGADA − Não ouviram? o menino voltou! que alegria sentir-lhe o corpinho dócil, a pele ávida de calor, os dedinhos retorcendo-se nos nossos fios, agora só envolvidos no seu coração de amor a rodos!

 

PALHA MANSINHA-DEMAIS – Como me sinto alguém, como já não me preocupa a tripla morte, só por o menino nos olhar com o seu coração divino, e, agora até me parece que é bem mais divino do que humano...

 

PALHA MAIS-DESFIADA – Só pode ser divino, como ele próprio nos disse com o seu coração pequenino.

 

PALHA TODA-ALONGADA −  Eu tenho a certeza de que o menino, se fosse só humano… não nos envolveria com tanta subtileza no seu coração de amor.

 

O MENINO – Como estou contente porque acreditam em mim, acreditam na minha palavra, a soprar tão ao de leve do meu coração; mereceram ser os primeiros seres a quem entreguei a minha palavra, a palavra do meu Pai, o Criador de todo o Universo, e não só da Terra!

 

PALHA OURO-VELHO (inclinando-se para a Palha Toda-Alongada) – Que humilde é o teu coração, tu que és o Filho do Criador de tudo o que existe no Universo…

 

PALHA MANSINHA-DEMAIS – Estou aqui toda para ti, menino portador de tanto amor, o amor imenso vazado no teu coração, pelo Pai… só quero saber como te podemos recompensar da tua generosidade.

 

PALHA MAIS-DESFIADA – A sensação de estar junto de um coração a bater com a graça de uma criatura que vem do Altíssimo Criador…

 

PALHA TODA-ALONGADA − E como é diferente dos seres que estão muito abaixo d’Ele… como é humilde!

 

MENINO – Foi com humildade que meu Pai criou todas as coisas; por isso ele me recomendou que começasse por vos falar e seriam assim as primeiras testemunhas da minha natureza divina! 

 

SEREMOS AS TUAS MAIORES TESTEMUNHAS, ATÉ AO FIM DOS TEMPOS! FOMOS NÓS QUEM PRIMEIRO TE ESCUTOU! QUEM SOUBE, EM PRIMEIRO LUGAR, QUE ERAS DE ORIGEM DIVINA! QUEM PRIMEIRO ACREDITOU EM TAL ORIGEM! (respondem, em coro, todas as palhinhas da manjedoira, onde o menino se acalenta e sente feliz, no dia em que chega ao mundo das humanas criaturas).

«Harmonia do Mundo» - www.harmoniadomundo.net

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano