TEOLINDA GERSÃO
A CASA DA CABEÇA DE CAVALO
Cena 15

Surge Virita desgrenhada, em robe de chambre e em chinelos, experimentando chapéus diante de um espelho  

Nenhum sapato me serve. Trago os pés tão inchados. Logo hoje, que tenho de sair. Não me lembro onde, mas disseram-me que está lá em baixo um cavalo à espera. Deve ser cavalo e carruagem, não pode ser só cavalo. 

(vai à janela e vê um cavalo em baixo)  

Virita

Já vou descer.  

(Vai junto de um berço de brinquedo e tira uma boneca muito enfeitada, com um vestido cheio de rendas e folhos)  

Vou levar-te comigo, Rita. Vem pôr o chapéu.

E onde está o teu caderninho?  

(Abre a carteira da boneca e tira um caderninho minúsculo, que folheia)

(lê) Quelle heure est-il? Il est cinq heures dix. Il est six heures. Le train partira à huit heures et demie. Quel temps fait-il? Il fait beau à présent.

Vieste de França, como todos os bébés. O teu papá era francês. Chamava-se Filipe. Fi-li-pe.  

(Um relógio bate horas).  

Virita, penteando a boneca

Quando vieste de França, eu chamava-te Nicole. Mas depois mudei-te o nome para Rita. Rita é um pedaço de Virita. Um pedaço de mim.  

(som de passos de cavalo no pátio)  

(Virita senta-se ao espelho, com a boneca ao colo. Põe pó na cara, perfuma os pulsos e põe na cabeça um chapéu de palha de arroz. Canta para a boneca uma canção infantil.

A luz torna-se mais frouxa e começam a cair do tecto camadas de pó, como se se tivessem acumulado durante um século. (As camadas de pó podem ser “confetti” de Carnaval).

Em silhueta passa ao fundo do palco ou dentro de um espelho o perfil de Virita e de Rita, montadas num cavalo, andando até sairem do palco).  

(som do vento)  

Teolinda Gersão nasceu em Coimbra,estudou Germanística e Anglística nas Universidades de Coimbra, Tuebingen e Berlim, foi Leitora de Português na Universidade Técnica de Berlim, docente na Faculdade de Letras de Lisboa e posteriormente professora catedrática da Universidade Nova de Lisboa,onde ensinou Literatura Alemã e Literatura Comparada até 1995.A partir dessa data passou a dedicar-se exclusivamente à literatura.

Além da permanência de três anos na Alemanha viveu dois anos em São Paulo, Brasil (reflexos dessa estada surgem em alguns textos de Os Guarda-Chuvas Cintilantes, 1984), e conheceu Moçambique, cuja capital, então Lourenço Marques, é o lugar onde decorre o romance de 1997 A Árvore das Palavras.

Escritora residente na Universidade de Berkeley em Fevereiro e Março de 2004.

LIVROS PUBLICADOS
(Publicações Dom Quixote, Lisboa)


O SILÊNCIO (Romance),1981, 4ª edição 1995

PAISAGEM COM MULHER E MAR AO FUNDO (Romance),1992,4ª edição 1996.

HISTÓRIA DO HOMEM NA GAIOLA E DO PÁSSARO ENCARNADO (literatura infantil),1982 (esgotado)
OS GUARDA-CHUVAS CINTILANTES (Diário Ficcional) 1984,2ªedição 1997

O CAVALO DE SOL (Romance),1989 ; edição Dom Quixote-Planeta 2001

A CASA DA CABEÇA DE CAVALO (Romance),1995,2ª edição 1996 ;
edição em Braille,1999


A ÁRVORE DAS PALAVRAS (Romance),1997
edição especial,com 50 ilustrações de Maia, 2000 ; 2ª edição, 2001
edição Dom Quixote- Círculo de Leitores 2001
edição Dom Quixote-Visão 2003


OS TECLADOS (Narrativa),1999 ,2ªedição 2001;edição em Braille,2003

OS ANJOS (Narrativa) , 1ª e 2ª edição 2000

HISTÓRIAS DE VER E ANDAR (contos) ,1ª e 2ª edição 2002

O MENSAGEIRO E OUTRAS HISTÓRIAS COM ANJOS (contos) 2003

Uma versão teatral de OS TECLADOS foi representada no Centro Cultural de Belém em 2001,com encenação de encenação de Jorge Listopad.

Uma versão teatral de
OS ANJOS foi representada em 2003 pelo grupo de teatro O Bando,com encenação de João Brites.

Uma versão teatral em língua romena de A CASA DA CABEÇA DE CAVALO foi representada em Bucareste em Abril de 2004.

Fonte: http://www.teolinda-gersao.com/bibiografia.html
 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano