TEOLINDA GERSÃO
A CASA DA CABEÇA DE CAVALO
Cena 7

(Maria do Lado, boneca despenteada e com um vestido acinzentado e feio, e Duarte Augusto, gigantone, estão sentados a uma mesa de camilha.

Virita e Filipe – actores - estão de pé e dançam, como se fizessem amor dançando.

Os outros actores são encenadores desta cena, dirigindo Virita e Filipe, tecendo comentários, explicações, interpretando etc. Música acompanha a cena.)

Filipe - Le train partira à huit heures et demie. J´ai fait cirer mes souliers par le domestique. Il est allé à la foire pour s´acheter des sabots.  

Virita repete, um pouco insegura - Le train partira – à huit heures – et demie.  

Ercília - De começo as frases só tinham ritmo, mas não sentido. Eram essas ou outras, que Filipe escolhia à toa, folheando um livro, hesitante e um pouco aflito.  

Inácio - Avançam não se sabe como, ao acaso, sem método nem plano. Jamais ele seria um professor competente, ignora tudo sobre a forma de ensinar uma língua, mesmo a sua. Mas por mais desastrado que ele seja, ela segue-o. Bastará que ele fale.  

Januário - Independentemente de qualquer sentido, em cada palavra ele leva-a consigo.  

Horária - Filipe marca o ritmo e ela segue-o, ligeira. Basta desligar o pensamento, porque qualquer raciocínio estorvaria.  

Ercília - Ele leva-a voando pela janela aberta e entram noutro mundo, no mundo requintado e fascinante do chic, do bon ton, do ton sur ton, do parfum de toilette  

Inácio - Do gros de Naples, do landeau, do pince-nez e dos chars-à-bancs  

Januário - Do cognac e do champagne, dos caniches e dos grand Danois,  

Benta - Dos consommés, das profiteroles e dos vol-aux-vents,  

Carmo - Das limousines, das aigrettes, dos tête-à-tête  

Ercília - Dos rendez-vous.  

(Virita corre, volta-se para trás e estende a mão a Filipe)  

Benta - De certo modo ela vai agora à frente dele, pedindo-lhe que corra mais depresssa. Estendendo-lhe a mão : Vem,vem.  

Filipe (sublinhando a diferença vocálica entre in e an) - Jardin – des – Plantes – Jardin – des Plantes  

Horária - As coisas podem transformar-se noutras, que no momento anterior não existiam. Belle soeur é ser muito bela e ser irmã. Pode-se amar uma bela irmã, e mesmo fazer-lhe um filho.  

Inácio - Filipe abre um atlas, procura um mapa, aponta com o dedo : Marseille, Toulouse, Lyon, Vichy. Là, c´est Paris. Ah, oui. L´Allier, affluent de la Loire.  

Januário - Ele oferece, transmite, ela recebe e guarda. Ele é inesgotável, como um rio.  

Ercília - Caminham em Vichy, à beira de um rio. As folhas amarelecem nas árvores e há um ar íntimo na tarde que desce devagar.  

Carmo - Íntimo e secreto como o quarto do Grand Hôtel aonde sobem para mudar de toilette, antes do jantar. Ela volta-se para que ele lhe desaperte o fecho do vestido. Há um momento em que está despida, entre um vestido e outro.  

Filipe – Le huit mars. Le catorze Avril. Le premier Mai. Quel temps fait-il? Je viens de l´église. Il fait beau à présent.  

Benta - Da sala de jantar iluminada sobe um eco de violinos. No bosque, as árvores balançam no vento.  

(música de violinos, baixo)  

Ercília - À beira do rio, pode-se voltar para trás. Subir o rio em sentido inverso. Estão ambos no princípio, a um passo do erro, sem tê-lo cometido. Jamais ele casou com Maria do Lado.  

Filipe, mecanicamente - Un chef d´oeuvre, des chefs d´oeuvre, un ver-à-soie, des vers-à-soie, un croc-en-jambe, des crocs-en-jambe, un arc-en-ciel, des arcs-en-ciel, un billet-doux, des billets-doux.

(mais baixo)

Je ne pense qu`à toi. Je suis fou de toi. Je t´aime, je t´aime, je t´aime.  

Virita - J´ai rêvé avec toi.  

Filipe sorri – De toi. J´ai rêvé de toi.  

Virita - Mon amour pour toi peut être mon poison et ma mort, mais je ne connais pas d´obstacles.  

Horária - Foi a época em que escreveram billets-doux, escondidos nos caderninhos.  

Carmo - Em que Virita lhe passou um código, marcando encontros em diferentes lugares, conforme a flor que trazia ao peito. Rosa : à entrada da quinta; cravo: ao cimo do olival; pelargónio : no ribeiro; cevadilha: debaixo da latada; madressilva: à porta da capela; malmequer : à noite, no portão.

Ercília - A esses seguiram-se outros encontros : no campo, entre as ervas altas.  

Badala - Em casa, durante a sesta, nas tardes quentes de verão.  

Inácio - De noite, subindo a escada que levava ao sótão, com a cumplicidade de Badala que, conforme a conveniência, achava, perdia, ou trocava as chaves.  

(Filipe beija Virita com um beijo passional, “de cinema”. Saem abraçados)

Teolinda Gersão nasceu em Coimbra, estudou Germanística e Anglística nas Universidades de Coimbra, Tuebingen e Berlim, foi Leitora de Português na Universidade Técnica de Berlim, docente na Faculdade de Letras de Lisboa e posteriormente professora catedrática da Universidade Nova de Lisboa,onde ensinou Literatura Alemã e Literatura Comparada até 1995.A partir dessa data passou a dedicar-se exclusivamente à literatura.

Além da permanência de três anos na Alemanha viveu dois anos em São Paulo, Brasil (reflexos dessa estada surgem em alguns textos de Os Guarda-Chuvas Cintilantes, 1984), e conheceu Moçambique, cuja capital, então Lourenço Marques, é o lugar onde decorre o romance de 1997 A Árvore das Palavras.

Escritora residente na Universidade de Berkeley em Fevereiro e Março de 2004.

LIVROS PUBLICADOS
(Publicações Dom Quixote, Lisboa)


O SILÊNCIO (Romance),1981, 4ª edição 1995

PAISAGEM COM MULHER E MAR AO FUNDO (Romance),1992,4ª edição 1996.

HISTÓRIA DO HOMEM NA GAIOLA E DO PÁSSARO ENCARNADO (literatura infantil),1982 (esgotado)
OS GUARDA-CHUVAS CINTILANTES (Diário Ficcional) 1984,2ªedição 1997

O CAVALO DE SOL (Romance),1989 ; edição Dom Quixote-Planeta 2001

A CASA DA CABEÇA DE CAVALO (Romance),1995,2ª edição 1996 ;
edição em Braille,1999


A ÁRVORE DAS PALAVRAS (Romance),1997
edição especial,com 50 ilustrações de Maia, 2000 ; 2ª edição, 2001
edição Dom Quixote- Círculo de Leitores 2001
edição Dom Quixote-Visão 2003


OS TECLADOS (Narrativa),1999 ,2ªedição 2001;edição em Braille,2003

OS ANJOS (Narrativa) , 1ª e 2ª edição 2000

HISTÓRIAS DE VER E ANDAR (contos) ,1ª e 2ª edição 2002

O MENSAGEIRO E OUTRAS HISTÓRIAS COM ANJOS (contos) 2003

Uma versão teatral de OS TECLADOS foi representada no Centro Cultural de Belém em 2001,com encenação de encenação de Jorge Listopad.

Uma versão teatral de
OS ANJOS foi representada em 2003 pelo grupo de teatro O Bando,com encenação de João Brites.

Uma versão teatral em língua romena de A CASA DA CABEÇA DE CAVALO foi representada em Bucareste em Abril de 2004.

Fonte: http://www.teolinda-gersao.com/bibiografia.html
 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano