TEOLINDA GERSÃO
A CASA DA CABEÇA DE CAVALO
Cena 4

(Aparece a Casa, em cartão, mas agora com dois metros de altura ou maior.

Entra Gaudêncio, com uma coisa na mão, coberta por um pano. Levanta o pano e vê-se uma imagem da Virgem, ricamente vestida, com um manto azul bordado a ouro, resplendor etc. Só não lhe vê a cara nem os pés e as mãos, sumidos no fundo do manto.

Gaudêncio sobe acima de um escadote, põe a Virgem em cima do telhado, torna a descer e desaparece.

O sino começa a bater as trindades.

Os actores (e outros, que entram na altura) fazem o papel de pessoas da aldeia presenciando a cena. Soltam exclamações de espanto, benzem-se, ajoelham, levantam as mãos.

- Virgem santíssima!

- Nossa Senhora!

- Mãe do céu bendita!

- Nossa Senhora apareceu!

- Milagre!

- Milagre!  

Chegam mais personagens, com terços e velas acesas.  

- Depressa!

- Vão chamar o senhor padre!

- Milagre! Milagre!

- Nossa Senhora apareceu!  

Chega o padre e o sacristão. Ouvem-se cânticos religiosos e música de igreja.  

Todos – Milagre! Milagre! A Virgem apareceu!  

A aparição esvoaça, flutua, quase dança, muito leve, em cima do telhado, de um lado para o outro. Por vezes chega-se tanto à beira que parece cair, depois desliza rápida para o ponto mais alto do telhado outra vez.

O povo reza, canta, murmura ahahahah… em êxtase.  

Até que se vê, no cimo do telhado, um rabo sair de debaixo do manto e surgir um focinho de macaco.Tira o manto e coça a cabeça.  

Vozes de escândalo:  

- É o macaco! É o macaco!

- Não é Nossa Senhora! Fomos enganados!

- É o macaco dos saltimbancos!

- Fizeram pouco da gente!

- Foi o Gaudêncio!

- Agarrem o Gaudêncio!

- Prendam o Gaudêncio!

- Filho da puta!

- Matem o Gaudêncio!  

Correm atrás dele, com tochas acesas, saem do palco.  

Aparece no chão do palco um navio muito pequeno, com Gaudêncio (boneco) dentro. O navio atravessa o palco, Gaudêncio diz adeus, no convés, agitando o chapéu.

Carlota diz adeus da margem, acenando com um lenço branco a que vai limpando as lágrimas.  

O barco desaparece. Carlota senta-se e espera.  

(Vozes dos actores, Inácio, Januário etc.:)  

- Gaudêncio tinha intenção de voltar e não teve culpa de esquecer Carlota

- No Brasil as mulheres tinham a pele tão quente que faziam as de cá parecerem frias

- Com tanto mar pelo meio o vulto de Carlota foi ficando cada vez mais longe. Não foi culpa de Gaudêncio. A vida é assim.  

Carlota (falando para si mesma, como hipnotizada, ou sonâmbula)

O desespero da ausência. O desejo insatisfeito. O corpo ardendo no vazio.

Teolinda Gersão nasceu em Coimbra, estudou Germanística e Anglística nas Universidades de Coimbra, Tuebingen e Berlim, foi Leitora de Português na Universidade Técnica de Berlim, docente na Faculdade de Letras de Lisboa e posteriormente professora catedrática da Universidade Nova de Lisboa,onde ensinou Literatura Alemã e Literatura Comparada até 1995.A partir dessa data passou a dedicar-se exclusivamente à literatura.

Além da permanência de três anos na Alemanha viveu dois anos em São Paulo, Brasil (reflexos dessa estada surgem em alguns textos de Os Guarda-Chuvas Cintilantes, 1984), e conheceu Moçambique, cuja capital, então Lourenço Marques, é o lugar onde decorre o romance de 1997 A Árvore das Palavras.

Escritora residente na Universidade de Berkeley em Fevereiro e Março de 2004.

LIVROS PUBLICADOS
(Publicações Dom Quixote, Lisboa)


O SILÊNCIO (Romance),1981, 4ª edição 1995

PAISAGEM COM MULHER E MAR AO FUNDO (Romance),1992,4ª edição 1996.

HISTÓRIA DO HOMEM NA GAIOLA E DO PÁSSARO ENCARNADO (literatura infantil),1982 (esgotado)
OS GUARDA-CHUVAS CINTILANTES (Diário Ficcional) 1984,2ªedição 1997

O CAVALO DE SOL (Romance),1989 ; edição Dom Quixote-Planeta 2001

A CASA DA CABEÇA DE CAVALO (Romance),1995,2ª edição 1996 ;
edição em Braille,1999


A ÁRVORE DAS PALAVRAS (Romance),1997
edição especial,com 50 ilustrações de Maia, 2000 ; 2ª edição, 2001
edição Dom Quixote- Círculo de Leitores 2001
edição Dom Quixote-Visão 2003


OS TECLADOS (Narrativa),1999 ,2ªedição 2001;edição em Braille,2003

OS ANJOS (Narrativa) , 1ª e 2ª edição 2000

HISTÓRIAS DE VER E ANDAR (contos) ,1ª e 2ª edição 2002

O MENSAGEIRO E OUTRAS HISTÓRIAS COM ANJOS (contos) 2003

Uma versão teatral de OS TECLADOS foi representada no Centro Cultural de Belém em 2001,com encenação de encenação de Jorge Listopad.

Uma versão teatral de
OS ANJOS foi representada em 2003 pelo grupo de teatro O Bando,com encenação de João Brites.

Uma versão teatral em língua romena de A CASA DA CABEÇA DE CAVALO foi representada em Bucareste em Abril de 2004.

Fonte: http://www.teolinda-gersao.com/bibiografia.html
 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano