TEOLINDA GERSÃO
A CASA DA CABEÇA DE CAVALO
Cena 1

Música rápida e viva, que lembra música de feira.  

Entra o Bonecreiro, dando à manivela de um realejo (que é ao mesmo tempo uma caixa de prestidigitador, de onde pode sair “tudo”.) Fala como um charlatão sedutor, vendedor de maravilhas

Bonecreiro

Senhoras e Senhores, Meninos e Meninas, Damas e Cavalheiros, Jovens Barbudos e Donzelas Casadoiras, venham ouvir a história da Casa da Cabeça de Cavalo

(tira de dentro do realejo uma casa grande, de cartão, que tem pintada, ou em relevo, uma cabeça de cavalo com uma argola na boca)

uma Casa como nunca se viu, porque tem uma cabeça de cavalo na parede, com uma argola de ferro que serviu para prender os cavalos,

(som de passos de cavalo e rodas)

no tempo dos nossos avós bisavós e trisavós, quando não infelizmente ainda não havia automóveis e se andava de carruagem.

O cavalo é portanto de bronze e está pregado na parede. Mas também não é de bronze nem está pregado na parede. O cavalo, como logo irão compreender, tem qualquer coisa de …

(hesita,depois rápido)

aparição.

(ouve-se um relincho, a luz oscila, as paredes da casa e as cortinas do palco tremem. Ruído de galope, de cascos raspando o chão.

De dentro do realejo sai a cabeça a parte anterior do corpo e duas patas de um cavalo preto, com o focinho estendido na direcção do Bonecreiro e do público, bufando, com as narinas dilatadas, os dentes brancos, como se risse, arreganhando os beiços, pronto a devorar tudo e todos.

O Bonecreiro finge encolher-se de medo.

Ouve-se o som de um galope,o cavalo resfolega com estrépito, torna-se de fogo e desaparece).

Mas não se assustem, Senhoras e Senhores, sosseguem Meninos e Meninas, não há nenhuma razão para terem medo.

Venham ouvir a história desta Casa que ficava na Travessa do Assombro, porque nela se passaram coisas assombrosas e houve tantas aparições e desaparições que finalmente até a Casa desapareceu.

(estampido forte como de um tiro, relâmpago súbito, a Casa desaparece, ou cai para dentro do realejo. O público não estava a contar e assusta-se.

O Bonecreiro tira de novo a Casa de dentro do realejo, mas agora está mais pequena).

Era uma Casa nascida em campo de ouro, dos amores de duas lisonjas esquartelada com quatro bastões sanguinhos, de que resultou meio unicórnio no timbre do brasão.

Embora se contasse que um primo que vivia noutra casa e não tinha brasão espalhava furioso aos quatro ventos que as lisonjas esquarteladas

(com fúria)

eram umas grandecíssimas cadelas, que fossem fornicar em campo azul prá puta que as pariu e que em vez de meio unicórnio o que ele tinha a certeza que lá existia era um corno.

O que era seguramente má língua, porque os habitantes desta Casa sempre foram muitíssimo respeitáveis, a ponto de nunca deixarem chegar aos ouvidos das mulheres as anedotas que contavam ao fundo do quintal,

(em segredo)

como a dos nobres Cavaleiros Cruzados, que assim se chamavam porque muito cruzavam com todas as donzelas que encontravam, nos caminhos da Terra Santa

(pondo um dedo nos lábios : schschsch…)

Mas isso agora não importa.

Venham conhecer os habitantes de uma certa época da Casa,

(começa a tirar marionetes de dentro do realejo; são marionetes de luva que depois andam, aparentemente sozinhas, em cima de uma cortina, na continuação do realejo)

Maria do Lado, a irmã mais velha, a quem chamavam As Mãos porque só trabalhava,

(passa Maria do Lado, trabalhando afadigadamente)

Virita, a irmã mais nova, a quem chamavam Os Pés porque só dançava

(passa Virita, com um vestido muito enfeitado, dançando)

Umbelina, a mãe que morreu tão cedo que quase não conheceu as filhas

(passa Umbelina, muito mirrada e sumida)

a tia Carlota, que tinha o namorado no Brasil

(passa Carlota, acenando com um lenço branco)

Gaudêncio, namorado de Carlota, que despertou na vila celeumas e paixões, só pelo modo como tirava o chapéu,

(passa Gaudêncio, tirando o chapéu)

a criada Badala, que ria e falava alto como um sino

(passa Badala, rindo às gargalhadas, agarrada à barriga)

Duarte Augusto, Dono da Casa e Pai de Família

(aparece de rompante um gigantone muito maior que os outros bonecos,abanando a cabeça e dizendo : Brrrrrrr….

Os bonecos escondem-se espavoridos abaixo da cortina)

E o cavalo,Senhoras e Senhoras, não podemos esquecer o cavalo,que é uma pessoa, ou melhor, uma personagem, muitíssimo importante nesta história,

(o cavalo aparece, agora com ar afável, trotando acima da cortina. Ouve-se o som dos cascos batendo)

um habitante misterioso que gosta de esconder a sua identidade

(o cavalo segura o cabo de uma mascarilha preta, põe-a diante dos olhos, relincha alegremente, em tom suave, e cumprimenta o público)

e finalmente Filipe, um francês que chegou inesperadamente num verão.

(Filipe chega de liteira, abre a porta, sai e faz uma vénia)

(O Bonecreiro tira um binóculo do bolso e espreita).

Mas estamos a ver isto muito ao longe e quem não tiver óculos não está a perceber nada.

Vamos repetir, para a verem melhor, a chegada do francês.

(Aparece uma liteira em tamanho natural, avançando para o meio do palco. Sai Filipe, um actor vestido igual à marionete. Música de dança. )

É uma noite de festa e a Casa tem todas as janelas acesas

(acendem-se as janelas da Casa e luzes no palco.

Filipe dança com Virita, uma actriz vestida igual à marionete. Atravessam o palco dançando e desaparecem)

Acertando o passo, não é verdade? Por isso ninguém se admirou quando pouco depois ele a pediu em casamento.

Duarte Augusto

(aparece o boneco em cima da cortina)

declarou que ia pensar, finalmente disse que sim e marcou o dia da boda.

(marcha nupcial).

Mas quando Filipe chegou ao altar

(entra Filipe, acima da cortina; é uma marionete bastante maior que anteriormente)

a noiva que foi ao seu encontro

(entra uma marionete do tamanho de Filipe, vestida de noiva e de cara tapada)

(a noiva, a tremer, levanta o véu)

foi Maria do Lado e não Virita.

(ahahahah … estarrecido do público) (som gravado)

(os bonecos desaparecem)

Porque naquele tempo era assim, Senhores e Senhores, quem mandava era o Dono da Casa e o Dono da fortuna.Todos obedeciam, e também Filipe obedeceu, porque não tinha fortuna.

Mas, como facilmente imaginam, não foi um casamento feliz. Nem Maria do Lado foi amada, nem Virita se resignou. Podem enxugar as lágrimas, belas damas casadas, viúvas e divorciadas e formosas jovens solteiras, ninguém vos leva a mal, porque esta parte da história é muito triste

(finge chorar, limpando os olhos com um lenço).

Como também é triste e dramático que na noite da boda Virita se atirasse da janela

(a boneca Virita atira-se, do alto da cortina.

Ahahahahah… estarrecido do público-som gravado)

Valeu-lhe a saia de balão que a amparou na queda,e por milagre saiu ilesa, sem arranhaduras.

(a boneca atira-se outra vez, do alto da cortina, mas desta vez vai descendo muito devagar)

(ahahahah aliviado do público – som gravado)

Mas a vida dos três nunca foi fácil.

(as marionetas Virita, Maria do Lado e Filipe suspiram e andam às voltas à toa, ora desencontrados ora chocando-se umas contra as outras, acima da cortina)

Nem o convívio dos dois homens da casa. Filipe sentiu-se enganado, e Duarte Augusto sempre viu nele um intruso

(Filipe e Duarte caminham acima da cortina em direcção um ao outro com paus na mão, lutam cruzando os paus em várias direcções, como os “pauliteiros” e batendo com as cabeças, como “robertos”)

e a relação dos dois foi uma guerra maior que as Invasões Francesas.

Mas deixemos para já essas histórias,

(os bonecos desaparecem para baixo da cortina)

porque houve outros habitantes, noutras épocas da Casa.

Se agora ela está fechada, com as cortinas corridas, não quer dizer que ninguém lá more.

(Fecha as cortinas de renda e faz rodar a Casa na mão).

Embora esteja, aparentemente, vazia.

(Volta a Casa de pés para o ar e bate-lhe no fundo, como a uma caixa vazia).

Mas quem souber olhar vê os espíritos dos que a habitaram, que continuam lá.

Porque a morte, Senhoras e Senhores,não acontece de uma vez, mas aos poucos,de degrau em degrau.

A morte é a perda da memória. Só quando eles se esquecerem da vida estarão realmente mortos. Por enquanto ainda não. Por isso contam histórias. Para não esquecer.

Fiquem portanto sabendo, Damas e Cavalheiros, Meninos e Meninas, que ouvir histórias e contar histórias é importantíssimo. Quem não gosta de histórias não gosta da vida e quem não gosta da vida…

(é interrompido pelo som dos passos do cavalo, cada vez mas fortes)

E o cavalo, já adivinharam quem é o cavalo desta história ?

(em segredo)

É o tempo, e o que o tempo nos traz – no fim de contas: A MORTE …

(põe um dedo nos lábios : schschscsh…)

(Enquanto falava foi buscar Inácio, Januário, Ercília, Carmo, Benta e Horária. Tira-os da sombra, do fundo do palco, como se os tirasse do nada.

São actores, mas comportam-se como fantoches. Podem estar vestidos todos de igual, com vestidos largos cinzentos até aos pés. O Bonecreiro arrasta-os como a bonecos, senta-os em cadeiras voltadas para o público e eles “desmoronam-se”, com a cabeça caída para a frente, como marionetes de fios.

O Bonecreiro bate as palmas com força e eles animam-se como por milagre.

O Bonecreiro desaparece.)

Teolinda Gersão nasceu em Coimbra,estudou Germanística e Anglística nas Universidades de Coimbra, Tuebingen e Berlim, foi Leitora de Português na Universidade Técnica de Berlim, docente na Faculdade de Letras de Lisboa e posteriormente professora catedrática da Universidade Nova de Lisboa,onde ensinou Literatura Alemã e Literatura Comparada até 1995.A partir dessa data passou a dedicar-se exclusivamente à literatura.

Além da permanência de três anos na Alemanha viveu dois anos em São Paulo, Brasil (reflexos dessa estada surgem em alguns textos de Os Guarda-Chuvas Cintilantes, 1984), e conheceu Moçambique, cuja capital, então Lourenço Marques, é o lugar onde decorre o romance de 1997 A Árvore das Palavras.

Escritora residente na Universidade de Berkeley em Fevereiro e Março de 2004.

LIVROS PUBLICADOS
(Publicações Dom Quixote, Lisboa)


O SILÊNCIO (Romance),1981, 4ª edição 1995

PAISAGEM COM MULHER E MAR AO FUNDO (Romance),1992,4ª edição 1996.

HISTÓRIA DO HOMEM NA GAIOLA E DO PÁSSARO ENCARNADO (literatura infantil),1982 (esgotado)
OS GUARDA-CHUVAS CINTILANTES (Diário Ficcional) 1984,2ªedição 1997

O CAVALO DE SOL (Romance),1989 ; edição Dom Quixote-Planeta 2001

A CASA DA CABEÇA DE CAVALO (Romance),1995,2ª edição 1996 ;
edição em Braille,1999


A ÁRVORE DAS PALAVRAS (Romance),1997
edição especial,com 50 ilustrações de Maia, 2000 ; 2ª edição, 2001
edição Dom Quixote- Círculo de Leitores 2001
edição Dom Quixote-Visão 2003


OS TECLADOS (Narrativa),1999 ,2ªedição 2001;edição em Braille,2003

OS ANJOS (Narrativa) , 1ª e 2ª edição 2000

HISTÓRIAS DE VER E ANDAR (contos) ,1ª e 2ª edição 2002

O MENSAGEIRO E OUTRAS HISTÓRIAS COM ANJOS (contos) 2003

Uma versão teatral de OS TECLADOS foi representada no Centro Cultural de Belém em 2001,com encenação de encenação de Jorge Listopad.

Uma versão teatral de
OS ANJOS foi representada em 2003 pelo grupo de teatro O Bando, com encenação de João Brites.

Uma versão teatral em língua romena de A CASA DA CABEÇA DE CAVALO foi representada em Bucareste em Abril de 2004.

Fonte: http://www.teolinda-gersao.com/bibiografia.html
 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano