NICOLAU SAIÃO
RAPSÓDIA LATINA (2)

Tempos atrás - recordarão talvez os leitores de muito boa memória - foram aqui saídas umas traduções a que me abalancei a partir de autores de língua espanhola.

Insistindo através dos tempos, nas minhas horas, perpetrei algumas outras de autores do espaço francófono, o que deu o bloquinho que ora aqui se deixa na língua da “doce França”, como dizia no meu velho e saudoso livro dos tempos liceais...

RAPSÓDIA LATINA (1)

INDEX

Léopold S. Senghor - Para uma jovem negra de calcanhar róseo

Philip Dennis - Sobre a vidraça coberta de névoa, quantas vezes

Philip Dennis - O vento sopra até junto desta palavra que as linhas

Céline Arnauld - Os meus três pecados Dadá

Benjamin Péret - Tempo diferente

Benjamin Péret - A doença imaginária

Magloire Saint-Aude - Reflexos

André Breton - Poema

Tristan Tzara - A primeira aventura celeste do Senhor Antypirine (fragmento)

Vicente Huidobro - A tempestade

André Breton
Poema

Tenho na minha frente a fada de sal

cuja túnica recamada de cordeiros

desce até ao mar

Cujo véu pregueado

de queda em queda ilumina toda a montanha.

Ela brilha ao sol como um lustro de água iridiscente

E os pequenos oleiros da noite serviram-se das suas

unhas onde a lua não se reflecte

para moldar o serviço de café da beladona.

 

O tempo enrodilha-se miraculosamente detrás dos seus

sapatos de estrelas de neve

ao longo dum rasto perdido nas carícias

de dois arminhos.

 

Os perigos anteriores foram ricamente repartidos

e mal extintos os carvões no abrunheiro bravo das sebes

pela serpente coral que sem custo passa

por um delgado

filete de sangue seco

na lareira profunda

sempre sempre esplendidamente negra

Esta lareira onde aprendi a ver

e sobre a qual dança sem cessar

o crepe das costas das primaveras

Aquele que é necessário lançar muito alto para dourar

a mulher em cujos cabelos encontro

o sabor que perdera

O crepe mágico o sinete voador

do amor que é nosso.

Nicolau Saião. Nascido em 1946 em Monforte do Alentejo (Portalegre). Poeta, pintor, publicista e actor/declamador. Tem colaboração diversa em revistas e publicações como "águas furtadas", "DiVersos", "Bíblia", "Bicicleta", "Elvas-Caia", "Abril em Maio", "Saudade", "365", "Os arquivos de Renato Suttana", "Imagoluce", "Judo e Poesia", “Colédoco”... Autor de "Os objectos inquietantes", "Flauta de Pan", "Os olhares perdidos" (poesia),"Passagem de nível" (teatro), "Os labirintos do real - relance sobre a literatura policial" . É membro honorário da Confraria dos Vinhos de Felgueiras. Até se aposentar recentemente, foi o responsável pelo "Centro de Estudos José Régio"(CMP). Vive em Portalegre.

 
 

 

 

 


hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano