Traduções de
NICOLAU SAIÃO

Rapsódia LATINA em tom maior

7. Pere Gimferrer (Barcelona, 1945 ):
Primeiro poema

Eu, que fundei todos os meus desejos

sob vários géneros de eternidade,

vejo a minha sombra crescendo ao sol de Julho

sobre o pavimento de cristal e de prata,

enquanto numa baforada ardente

a morte ocupa o seu lugar debaixo dos guarda-sóis.

O vime, as bebidas de cores vivas, as luzes oxigenadas que pingam devagar,

banhando num obscuro esplendor os torsos, acariciando

com fulgores de ferro luzente uns ombros nus, uns olhos eléctricos,

um doirado tombar de mão no ar silencioso

o resplendor de uma cabeleira caindo desalinhada

entre música suave e luzes indirectas,

todas as sombras da minha juventude

numa habitual figuração poética.

Às vezes, nas tardes de tormenta, uma aranha avermelhada pousa

nas vidraças

e pelos seus olhos são fixamente olhados os bosques enfeitiçados.

Salas interiores, mágicas para os silenciosos guardiões de ébano, felinos

e nocturnos como senegaleses,

cujos passos quase não soam no meu coração!

De noite não se acordam os melros do seu prateado sonho.

Assim são estas horas de juventude, pálidas como ondinas

ou heroínas de ópera,

tão frágeis que morrem não de viver mas de sonhar.

 

 

No seu envoltório de veludo obscuro dorme o príncipe.

Abandonados caracóis na sua mão se entrelaçam. Fundamente caídas

as pestanas velaram os seus olhos como uma gota de verniz e de amianto.

A escondida tepidez das coxas faz deslizar o seu suspiro de gavião agonizante.

O peito arfa como uma harpa desfolhada no Inverno e sob o casaco de malha

o coração deixa suavemente de bater.

Amados olhos, doces horas de ferro e de fogo

rosas de carne incandescente e delicada, fulgores de magnésio

que me surpreendeis a sombra nos bares nocturnos ou ao sair do cinema, salvai

meu coração em agonia sob a luz pesada e densa dos holofotes!

 

 

A noite cai como uma fina lâmina de aço.

É a hora em que o ar põe as cadeiras em desordem, revolteia sob os toldos

faz tilintar os copos, parte um ou outro, roça regressa suspira e de repente

esmaga um homem contra uma parede com um surdo estalo repercutido.

 

 

Beija-me entre a névoa, minha amada. Ficou a noite tão fria

neste par de horas. Está o luar tão borrascoso e tão húmido

como numa antiga fita de amor e espionagem.

Deixa-me guardar entre as mãos uma estrela do mar.

Que pele tão delicada tu rasgarás com os dentes. Morte

que lábios, que respiração, que peito doce e mórbido

 

 

 

 

 


hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano