Procurar textos
 
 

 

 

 

 







 

 

MÁRIO MONTAUT
Poemas da alma do mundo

POEMAS DA ALMA DO MUNDO

(para João Cabral de Melo Neto)

Há uma parte da realidade que tem sido chamada de dimensão do valor escuro, e a cujo respeito nada pode ser conhecido, em absoluto. O caos está ali, em algum lugar. A tarefa do vir-a-ser humano, da matemática e das nossas ferramentas intelectuais é projetar luz nessa dimensão. Isso nos dá um sentido de descoberta e de significação, mas nunca se poderá reduzir essa dimensão a conclusões absolutas. Finalmente, há um domínio na dimensão do valor escuro, que é um domínio de valor escuro em princípio.
Terence McKenna

Há em todo grande poeta um núcleo noturno inquebrantável.
André Breton

(M.M.)

 

MÚSICA DE NATAL

Ó matemáticas severas, não vos esqueci desde que vossas sábias lições, mais doces que o mel, infiltraram-se em meu coração, qual onda refrescante. Aspirava instintivamente, desde meu nascimento, a beber em vossa fonte mais antiga que o Sol, e continuo ainda a pisar o átrio sagrado de vosso templo solene, eu, o mais fiel de vossos iniciados.
Lautréamont

Não acredito que a matemática seja o resultado de uma atividade criativa da parte das pessoas, que tenha sido inventada. Ela se mantém coesa com uma integridade que ultrapassa as capacidades da curta história da consciência humana...As cariadas teorias matemáticas não passam de impressões de viajantes que regressaram de uma terra distante...A paisagem matemática foi extensamente percorrida, mapeada, vivenciada e utilizada no mundo biológico muito antes que a espécie humana tivesse evoluído. Qual é o papel da matemática na coevolução da alma do mundo e da consciência humana?

Ralph Abraham


A raça humana é
uma semana
do trabalho de Deus.

Gilberto Gil


Essas palavras encontram Johann Sebastian Bach, que em "Jesus Alegria Dos Homens", de 3 notinhas em 3 notinhas, vai aclarando, entre outras coisas, o Mistério Da Santíssima Trindade, que graças a Vinícius de Moraes pode ser cantado também neste natal.

(M.M.)

 

MÁRIO MONTAUT é brasileiro, paulistano, de ascendência italiana, espanhola, indígena, moura, francesa e outras. Desenvolve uma sequência de composições que vêm à luz, já em dois trabalhos: "Bela Humana Raça", Dabliú, 1999, e "Mário Montaut: Samba De Alvrakélia", a sair nos próximos dias pelo selo MBBmusic. São muitos anos de vivências artísticas, num panorama que inclui Dorival Caymmi, René Magritte, Manoel De Barros, João Cabral De Melo Neto, Borges, Chico, Caetano, Gil, Dalí, Fellini, Buñuel, Webern, Cartola, Breton, Blavatsky e muitos amores mais, indispensáveis à sua criação, que abarca, além das canções, poemas, textos, roteiros e outras coisas interessantes. Mário Montaut é basicamente um parceiro de todos os seus contemporâneos e ascendentes, humanos ou não, saibam eles ou não. Índios, Negros, Europeus, Sem-terra, Brisas, Baleias, Maremotos, Chuvas, Livros, Discos, Beijos e Trovões Em Todas As Roseiras. Atualmente grava um disco de parcerias suas com o poeta Floriano Martins, onde a talentosíssima intérprete Ana Lee canta grande parte do repertório. Mário Montaut é um pouco de tudo isso. E muito mais, com certeza, pode ser descoberto em seus discos lançados, em suas tantas canções já gravadas, poemas, textos, e múltiplos achados.    

 
   
   

 

 

 


hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano