Procurar textos
 
 

 

 

 

 







 

 

MÁRIO MONTAUT
PAUL McCARTNEY: "MEMORY ALMOST FULL"

Todos nós temos o direito, e a necessidade, de lutar com o passado e seus secularismos, que também resistem a qualquer presente, numa essencial atemporalidade. Memória quase cheia, é assim que Paul McCartney se posiciona no conflito dos 65 anos de existência com a insustentável leveza do ser globalizado. A idéia que permeia o cd seria insuportável, se Paul (nas comemorações dos 40 anos de Sgt. Pepper´s), não a tivesse diluído na estética jovial do rock, onde dançam as memórias e emoções. Quanto à autenticidade das poucas baladas(rs)... Aqui o rock continua sendo a marca dos velhos de hoje e dos jovens de ontem, e vice-versas. Se a frase é confusa, aclaro dizendo que "Não viva no passado/Não se apegue a coisas que estão mudando rapidamente", cantado pelo ex-beatle, em jargão psiquiátrico é no mínimo mensagem de duplo vínculo(rs). O velho contemporâneo, bem jovem, relativiza a juventude de ontem, tão velha (e contrários cabíveis). Adotando estilo sábio, Paul enfrenta as querelas pessoais, universalizando, aprofundando o chaos, e se mantendo na crista da onda(rs). O resto é muita sensibilidade e imaginação, música e poesia em alta voltagem, originais o bastante para que poucos se queixem disso no fluxo da dança. Ácida crítica nas equações da bruxaria. Rock Around The Clock!!! Quem jovens? Quem velhos? Férteis são todas as horas.

(Mário Montaut)


MÁRIO MONTAUT é brasileiro, paulistano, de ascendência italiana, espanhola, indígena, moura, francesa e outras. Desenvolve uma sequência de composições que vêm à luz, já em dois trabalhos: "Bela Humana Raça", Dabliú, 1999, e "Mário Montaut: Samba De Alvrakélia", a sair nos próximos dias pelo selo MBBmusic. São muitos anos de vivências artísticas, num panorama que inclui Dorival Caymmi, René Magritte, Manoel De Barros, João Cabral De Melo Neto, Borges, Chico, Caetano, Gil, Dalí, Fellini, Buñuel, Webern, Cartola, Breton, Blavatsky e muitos amores mais, indispensáveis à sua criação, que abarca, além das canções, poemas, textos, roteiros e outras coisas interessantes. Mário Montaut é basicamente um parceiro de todos os seus contemporâneos e ascendentes, humanos ou não, saibam eles ou não. Índios, Negros, Europeus, Sem-terra, Brisas, Baleias, Maremotos, Chuvas, Livros, Discos, Beijos e Trovões Em Todas As Roseiras. Atualmente grava um disco de parcerias suas com o poeta Floriano Martins, onde a talentosíssima intérprete Ana Lee canta grande parte do repertório. Mário Montaut é um pouco de tudo isso. E muito mais, com certeza, pode ser descoberto em seus discos lançados, em suas tantas canções já gravadas, poemas, textos, e múltiplos achados.    
 
   
   

 

 

 


hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano