Procurar imagens
     
Procurar textos
 

 

 

 

 


 

 

MARIA DO SAMEIRO BARROSO
CASSANDRA - VOX FEMINA TRAGICA III
Notas

1. Sobre este assunto ver: WILLIAM N. BATES, in Harvard Studies in Classical Philology, VI, 1895, "The date of Lycophron, apud CALLIMACUHUS, Hymns And Epigrams, LYCOPHRON, ARATUS, op. cit., pg. 307.

2. A. W. MAIR , da Introdução, pgs. 303-319, CALLIMACUHUS, HYMNS AND EPIGRAMS, LYCOPHRON, ARATUS, Tradução e Introdução de A. W. MAIR, Loeb Classical Library, Harvard University Press, Londres, 2000.

3. PIERRE GRIMAL, Dicionário da Mitologia Grega e Romana, Entrada CASSANDRA.

4. MARIA HELENA URENA PRIETO, Dicionário de Literatura Grega, Lisboa, Editorial Verbo, Lisboa/São Paulo, 2002, pg. 279.

5. A. W. MAIR, op. cit., pg. 314.

6 MARGUERITTE YOURCENAR, Memórias de Adriano, tradução de MARIA LAMAS, Ulisseia, Lisboa, 1995, pg. 131.

7. Sobre este assunto, ver: MARGUERITTE YOURCENAR, Lycophron et la poèsie cryptique, in La Couronne et la Lyre, Anthologie de la Poesie Grecque Ancienne, Gallimard, Paris, 1979, pg. 357.

8. REAL PAULY WISSOWA, op. cit., col. 2292.

9. MARIA ISABEL REBELO GONÇALVES, As Profecias de Cassandra, Código e Mensagem, in Revista da Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, Faculdade de Letras, Nº 15. 5ª Série, Lisboa, 1993, pgs. 23-36.

10. Jorge Luis Borges, Obras Completas, 1923-1949, Volume I, Círculo de Leitores, História da Eternidade, tradução de JOSÉ COLAÇO BARREIROS, Lisboa, 1998, pg. 389.

11. EPPLE, 1993:37, apud ISABEL MARIA de OLIVEIRA CAPELOA GIL, op. cit, pgs. 304.

12. KURFESS, 1951, apud ISABEL MARIA de OLIVEIRA CAPELOA GIL, ibidem.

13. JOSÉ CAMÕES, Obras de Gil Vicente, Volume V, Centro de Estudos de Teatro,, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, Lisboa, pgs. 3-74.

14. Enciclopédia Salvat dos Grandes Compositores, Salvat Editora do Brasil, Rio de Janeiro, 1985, pg. 181.

15. Gerne möcht ich mit dem Gatten/In die heim´sche Wohnung ziehn,/Doch es tritt ein styg´scher Schatten/Nächtlich zwischen mich und ihn. (De bom grado partiria com o esposo,/Para o calor da minha casa,/Mas à noite, há uma sombra estígea/Que entre ele e mim se ameaça .)

16. Libreto da edição discográfica (BERLIOZ, Les Troyens, Sir Colin Davis, London Synphony Orquestra, LSO, 2000).

17. BERLIOZ, Les Troyens.

18. A ópera estreou-se a 5 de Dezembro de 1903, com bastante sucesso, no Teatro Comunal de Bolonha, dirigida por ARTURO TOSCANINI . MARCO IANNELLI, Catálogo da Edição discográfica, pg. 20 (VITTORIO GNECCI, Cassandra , Atto único in un Prologo e due Parti, Tragedia di Luigi Illica e Vittorio Gnecci, Orquestra Nacional Montpellier Langue doc-Rousillon, dirigida por Enrique Diemecke, Agora Musica , 2000).

19. Sobre este assunto ver ISABEL MARIA de OLIVEIRA CAPELOA GIL, Op. cit, pgs.

20. CHRISTA WOLF, Cassandra, Tradução de JOÃO BARRENTO , Edições Cotovia , Lisboa, 1989.

21. HELENA GONÇALVES DA SILVA, Berlim e a Viragem Histórica no Imaginário de Chista Wolf ("Cassandra) e Günter Grass ("Uma longa História"), in A Poética da Cidade, A.A. V.V., Organizaçao de HELENA GONÇALVES DA SILVA, Edições Colibri, Lisboa, 2002 (pgs. 161-185), pg. 172-173.

22. ROSE NICOLAI unter Mitarbeit von DORIS THIMM, Christa Wolf Kassandra, Oldenbourg Interpretationen, Herausgegeben von BERNHARD SOWINSKI und REINHARD WEBER, Band 46 - 2., erg und Korrigierte, Muniqque, 1991, pg. 28.

23. ROSE NICOLAI, op. cit., pg. 61.

24. Christa Wolf inventa-lhe um romance com Eneias. (...) O trabalho da História (ou do mito ou da lenda)) no romance contemporâneo implica a prática de modificações nos factos admitidos do património herdado. Ver MARIA ALZIRA SEIXO, in "Narrativa e ficção, Problemas de tempo e Espaço na Literatura Europeia do Pós-Modernismo", Colóquio/Letras, nº134, Lisboa, Outubro-Dezembro, Fundação Calouste Gulbenkian, 1994, pg. 112.

25. STELLA GEORGOUDI, Bachofen, o Matriarcado e a Antiguidade: Reflexões sobre a criação de um mito, op., cit, pg. 574.

26. MARA ALZIRA SEIXO, Ibidem, pg. 106.

27. MARIA ALZIRA SEIXO, Ibidem , pg. 108.

28. MARION ZIMMER BRADLEY, (The Firebrand)Presságio de Fogo, tradução de RUTE ROSA DA SILVA, Difel, Lisboa, 1987.

29. ROSE NICOLAI unter Mitarbeit von DORIS THIMM, Christa Wolf Kassandra, Oldenbourg Interpretationen, Herausgegeben von BERNHARD SOWINSKI und REINHARD WEBER, Band 46 - 2., erg und Korrigierte, Muniqque, 1991, pg. 24.

30. IZTAR PASCUAL, Cassandra em Madrid , Una noche com las clásicas, sobre La noche de Casandra, textos de ARMANDO NASCIMENTO, MaRIA PIA DANIELE, MATEI VISNIEC, DRAGA POTOCNJAK, MIGUEL MORILLO, JUAN PABLO HERAS e RAÚL HERNÁNDEZ GARRIDO, Primer acto, Cuadernos de Investigación Cultural, Casandra, Teatro y Derechos Humanos, Nº 288, II/2001, pg. 30.

31. O tema foi assunto da tese de doutoramento de MARIA TERESA COUCEIRO PIZARRO BELEZA, Mulheres, Direito e Crime ou a Perplexidade de Cassandra , AAFDL , Lisboa, 1993.

32. Na sociedade de globalização em que vivemos, perdemos a segurança das sociedades tradicionais: onde o espaço e o tempo eram impregnados de sentido, preenchidos por significados e orientados por uma simbólica que delimitava o «dentro» e o «fora», a organização e o caos, alteraram-se profundamente os processos de reflexividade individuais e colectivos, dilatou-se o espaço e o tempo que , dialecticamente, também se localizaram. Assim, a reflexividade das nossas sociedades é, ao mesmo tempo: uma benção e uma maldição apolínea e tornamo-nos como os troianos: não acreditamos nas nossa profecias. Apolo parece ter também punido o pensamento ocidental com o mesmo castigo que infligiu a Cassandra: as estratégias construídas para conviver com o risco sensocomunizam a indiferença, transformando-a assim em casulo protector. ( ANTÓNIO M. MAGALHÃES: O síndroma de Cassandra: Reflexibilidade, a construção de identidades pessoais e a escola, in Transnacionalização da Educação , Da Crise da Educação à "Educação" da Crise, Organização de STEPHEN R. STOER, LUIZA CORTESÃO e JOSÉ ALBERTO CORREIA, A.A. V.V., Edições Afrontamento, Lisboa, 2001, pgs. 301-335).

33. ROSA MONTERO, Historia de las mujeres, Ed. Alaguara, Madrid, 1995, apud Cuadernos de Investigación Cultural, op. cit., ibidem.

Maria do Sameiro Barroso é licenciada em Filologia Germânica e em Medicina e Cirurgia, pela Universidade Clássica de Lisboa. Exerce a sua actividade profissional como médica, Especialista em Medicina Geral e Familiar.

Em 1987 iniciou a sua actividade literária, tendo publicado livros de poesia e colaborado em antologias e revistas literárias. A partir de 2001, a sua actividade estendeu-se à tradução e ensaio, tendo publicado, em revistas literárias e académicas.

Em 2002 iniciou a sua actividade de investigadora, na área da História da Medicina, tendo apresentado e publicado trabalhos, nesta área.

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano